Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

FALTA INSTALAÇÃO

Justiça anula contrato de
R$ 33,8 milhões para lâmpadas de LED

Em audiência, houve recomendação para que equipamentos entregues sejam instalados

5 JUL 17 - 17h:16RODOLFO CÉSAR E TAINÁ JARA

Audiência de conciliação na Justiça Estadual realizada hoje à tarde definiu que o contrato entre a Prefeitura de Campo Grande e a empresa Solar Distribuidora e Transmissão S.A será anulado. O convênio foi feito ano passado, na administração de Alcides Bernal (PP), para a aquisição de R$ 33,8 milhões em lâmpadas de LED, mas o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público Estadual verificaram irregularidades nessa contratação.

Apesar da compra prevista ser de 30 mil lâmpadas, a empresa entregou 20 mil e instalou apenas 4 mil. O pagamento feito pela prefeitura à Solar chegou a R$ 20,5 milhões.

Na reunião promovida pelo judiciário, depois de ação civil pública instaurada, ficou decidido que os equipamentos que já estão na cidade não serão devolvidos porque houve o pagamento por eles. O que cessou no contrato foi o compromisso de entrega e instalação de 10 mil lâmpadas de LED, ao custo de R$ 13,3 milhões, que também não precisarão ser mais pagos.

"Não podemos fechar os olhos para as irregularidades do contrato. O município não precisará pagar mais nenhum centado para a empresa", disse o promotor do Ministério Público Estadual, Marcos Alex Vera, que propôs a ação.

O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, que presidiu a audiência, recomendou que a Prefeitura da Capital faça a instalação das unidades de LED.

O procurador-chefe do município, Alexandre Ávalo, reforçou na Justiça Estadual que houve o pedido no Tribunal de Contas do Estado (TCE) para que seja autorizada a instalação das 16 mil lâmpadas que estão no estoque da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep).

TRIBUNAL DE CONTAS

O TCE instaurou procedimento primeiro do que o MPE para averiguar irregularidades no contrato, ainda no segundo semestre de 2016. O Pleno do órgão determinou a interrupção da instalação das lâmpadas em 21 de junho por identificar uma série de problemas que apontavam para improbidade administrativa. 

Não há definição de quando o TCE vai se manifestar sobre o embargo de declaração impetrado no Tribunal solicitando autorização para que as lâmpadas de LED possam ser instaladas.

QUESTIONAMENTO

O advogado que defende a Solar informou na audiência que a Prefeitura de Campo Grande deve R$ 450 mil, referente à instalação das 4 mil unidades. 

A administração de Alcides Bernal (PP) teria retido esse valor no pagamento do contrato e seria referente à prestação de serviço. "Será cobrado na Justiça R$ 450 mil que é relativo à instalação das 4 mil lâmpadas", afirmou Marverson Ribeiro Leão, defensor da empresa.

Se houvesse a instalação das 20 mil lâmpadas entregues, haveria o pagamento de R$ 2 milhões, conforme o advogado.

O procurador-chefe da Capital, Alexandre Ávalo, disse que será preciso apresentar comprovantes desse acordo para que haja a quitação do possível débito.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Durante bebedeira, idoso mata<br> amigo com facada em MS
TERMINOU MAL

Durante bebedeira, idoso
mata amigo com facada em MS

Homem é encontrado morto e suspeita é de choque elétrico
MORTE A ESCLARECER

Homem é encontrado morto e suspeita é de choque elétrico

Projeto Vertentes une 300 músicos em shows especiais
ARTE

Projeto Vertentes une 300 músicos em shows especiais

Em início de noite violenta, duas pessoas são assassinadas
DOURADOS

Em início de noite violenta, duas pessoas são assassinadas

Mais Lidas