Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

serviço comunitário

Juiz condena João Amorim por arma 'sem dono' apreendida durante Lama Asfáltica

Empreiteiro é acusado de comandar desvio de recursos públicos

25 SET 2017Por EDUARDO MIRANDA17h:25

Por guardar no closet de seu quarto um revólver calibre .38, da marca Taurus, por aproximadamente 1 ano, o empresário João Alberto Krampe Amorim dos Santos foi condenado pelo juiz da 1ª Vara Criminal de Campo Grande, Roberto Ferreira Filho, a prestar serviços a comunidade também por 1 ano.

O período é o mesmo que ele foi condenado a prisão pelo magistrado, pela posse ilegal da arma, porém, por ser primário, a pena de Amorim foi convertida no auxílio à comunidade. 

Este revólver Taurus (em nome de terceiro) e outro revólver calibre .38 (este devidamente registrado), da marca Rossi, foram apreendidos durante cumprimento de mandados da Operação Lama Asfáltica da Polícia Federal, em 9 de julho de 2015.

Na ocasião, Amorim, que era alvo de mandado de busca e apreensão, chegou a ser preso em flagrante por portar a arma de fogo ilegalmente, e só foi libertado depois de pagar fiança de R$ 10 mil. 

Para a Polícia Federal, João Amorim havia revelado que ganhou a arma de um de seus funcionários. Em juízo, mudou de versão, e disse que um amigo havia esquecido o revólver em sua casa.

Sobre o revólver que está em seu nome, embora tenha sido absolvido desta acusação específica, responderá administrativamente na Polícia Federal por não manter o registro da arma atualizado. 

O valor já pago da fiança, diga-se de passagem, será utilizado para pagar as custas processuais, determinou o magistrado da 1ª Vara Criminal. 

Apesar de não ter ligação direta aos crimes apurados na Operação Lama Asfáltica, esta é a primeira condenação contra o empresário no contexto da investigação.

Amorim, dono da empreiteira Proteco, é acusado de comandar esquema de desvio de recursos federais em obras realizadas com recursos federais, e também de lavar dinheiro em outras atividades. 

Além da empreteira que é proprietário e que atuou em diversas obras no Estado, como o Aquário do Pantanal, Amorim construiu "império" milionário de 15 fazendas, que tem valores estimados acima dos R$ 65 milhões.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também