Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

SUSPEITO DO CRIME

Irmã de jovem morta a tesouradas
é presa por esquema com ex-cunhado

Ela foi flagrada com carga roubada de salgadinhos

18 SET 2017Por MARIANE CHIANEZI16h:01

Viviane Fontoura Holsback, de 20 anos, foi presa no último sábado (16), um dia depois da irmã, Mayara Fontoura Holsback, de 18, ter sido encontrada morta em residência no Bairro Universitário, em Campo Grande.

Viviane foi flagrada com grande carga de alimentos roubados em agosto e suspeito de fazer parte do esquema é Roberson Batista da Silva, também apontado como principal suspeito do assassinato de Mayara.

Conforme o boletim de ocorrência, Polícia Militar recebeu denúncia que uma mulher estaria tentando vender salgadinhos com preço a baixo de mercado para pessoas e em conveniências na região do Bairro Nhanha.

Equipe se deslocou até algumas localidades, na Rua Francisco Aguiar Pimenta, por volta das 3h da manhã, e encontraram Viviane com grande quantidade de salgadinho. Questionada pelos militares, ela confessou que estava com uma carga roubada armazenada em uma casa alugada.

Na residência, foi encontrado 613 caixas, com mais de 14 mil salgadinhos. Tudo tinha sido roubado de uma empresa da Capital. Ainda aos policiais, Viviane disse que quem também estaria vendendo os salgadinhos roubados seria o cunhado, Roberson Batista da Silva, conhecido como “Robinho” e que havia saído recentemente da prisão.

No dia 25 de agosto, ela alugou a casa a mando de um interno chamado Rafael da Silva Lemos e um outro homem, Valderi Caceres, de 34 anos, que também ficaria responsável por vender os produtos.

A casa de Valderi foi identificada e os policiais se descolaram até lá, onde encontraram 12 salgadinhos, seis caixas vazias de erva mate e duas caixas vazias da empresa.

Na residência, ainda foi localizado mais um suspeito, Rodrigo Henrique da Silva Santos, de 22 anos. Todos foram encaminhados para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da Vila Piratininga.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também