Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

IMPASSE

Restrição no atendimento
da Santa Casa já dura 20 dias

Unidade é investigada sobre uso do dinheiro público

22 AGO 17 - 16h:15Izabela Jornada

A indefinição sobre a contratualização da Prefeitura de Campo Grande com a Santa Casa segue, mesmo com a entrada de deputados estaduais para tentar intermediar a negociação. Já dura 20 dias a medida baixada pela diretoria de que os portões da unidade de saúde ficam fechados e pacientes só são aceitos depois de regulação prévia.

Essa determinação causou confusão e paciente que fora levado pelos Bombeiros demorou para ser atendido porque porteiros seguiam ordens de não abrir o portão de acesso caso não houvesse prévia autorização. Os porteiros acabam detidos.

A direção do hospital, que é gerido pela Associação Beneficente Campo Grande (ABCG), defende que precisa receber mais recursos para conseguir realizar os atendimentos, mas o governo municipal sustenta que não tem caixa para suportar esses pagamentos.

O que está na pauta de tratativas agora é aumento de R$ 3 milhões no atual montante de repasse, que é de cerca de R$ 20 milhões por mês. Na última reunião realizada no Ministério Público Estadual (MPE), o governo do Estado posicionou-se favorável a custear R$ 1 milhão nesse aumento, mas condicionou o pagamento se a prefeitura pagar outros R$ 2 milhões.

O pedido de aumento vem sendo defendido pelo presidente do hospital, Escacheu Nascimento, em todas as reuniões. Segundo ele, o hospital está fechando com deficit mensal de R$ 3 milhões.

“Fechamos todo mês com deficit de R$ 3 milhões. Como não podemos atrasar salários, acabamos atrasando com fornecedores”, afirmou.

Esacheu reafirmou que o controle no portão para entrada de pacientes vai ser mantido. A medida já dura 20 dias. “O hospital é destinado a atendimentos de média e alta complexidade, por isso teremos controle de entrada. Lá não é lugar de atender consultas”, comentou. 

Ao mesmo tempo que pleiteia mais recursos, a atual direção da Santa Casa é investigada pelo Tribunal de Contas do Estado sobre como é feito o uso do dinheiro público. Os repasses vindos da União, prefeitura e Estado só podem ser utilizados para pagar diretamente o custeio de serviços prestados. Eles não podem ser usados para quitar dívidas ou outros tipos de custos. Uma vistoria já foi feita na unidade de saúde.

*Colaborou Rodolfo César.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Prefeito e vice são cassados por abuso de poder econômico
COXIM

Prefeito e vice são cassados por abuso de poder econômico

Mandante de roubo no Centenário pediu saída para terminar TCC
"PRIORIDADES"

Mandante de roubo pediu saída para terminar TCC

Mesmo com caçambas, lixo é descartado irregularmente na 14
14 DE JULHO

Mesmo com caçambas, lixo é descartado irregularmente

Plano Safra dará prioridade ao pequeno e médio produtor
PAP 2019/2020

Plano Safra dará prioridade ao pequeno e médio produtor

Mais Lidas