Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

ALEITAMENTO

"Hora do Mamaço" reúne mais de 50 mulheres em Campo Grande

Evento teve momento "Tira Dúvidas" com profissionais da saúde

5 AGO 2017Por Izabela Jornada17h:35

Depois da polêmica de mãe que foi proibida de amamentar em público em 2012, mulheres se associaram e criaram a Aldeia Materna. Hoje (05) grupo se reuniu para promover e proteger direitos e a importância da amamentação na Hora do Mamaço.

Pela quinta vez anual, grupo de mulheres se reuniu, e nessa edição, o encontro foi no Parque das Nações Indígenas em Campo Grande. O objetivo do evento é a troca de ideias e a participação do momento Tira Dúvidas, promovido por profissionais da saúde.  

Os encontros sempre acontecem em locais públicos para que o máximo de mulheres possa participar. A primeira edição, em 2012, foi em supermercado da cidade.

“Escolhemos locais de parceiros que nos apoiam e também que possam ser agradáveis para as mães”, disse uma das três coordenadoras do evento, Cristiane Oshiro. 

Em média, mais de 50 mães comparecem aos eventos anualmente e nesse ano não foi diferente. 

A gerente de saúde da criança, da Secretaria de Saúde Estadual, Angela Rios, declarou que a ação é importante para o empoderamento das mulheres e para incentivar a “melhor amamentação possível”.

A lei estadual que promove a semana da amamentação já está em vigor e visa enfatizar a necessidade e a importância do aleitamento.

“Nessa semana estamos organizando grupos de mães, rodas de conversas, profissionais da saúde que auxiliam nesse momento delicado que é o da amamentação”, disse a gerente de saúde estadual. 

Mãe de gêmeas, Miriam Garcia, 34 anos, amamenta duas meninas sem complementos nutricionais. “Amamento elas apenas no peito e acredito que esses encontros nos auxiliam. É importante”, disse. 

Sobre as repreensões que algumas mães já sofreram ao amamentar em público, Míriam disse que nunca sofreu preconceito. “Eu nunca fui alvo desse tipo de polêmica, mas participo de grupos e as mães reclamam que já sofreram com isso”, disse Míriam.

O médico obstetra, Paulo Saburo Ito, 50 anos, está responsável pelo momento Tira Dúvidas do evento deste ano e disse que é muito importante desfazer os mitos e reforçar as verdades sobre o aleitamento materno.

“Incentivamos a amamentação, somos contra a desmama precoce. As consequências são sentidas no futuro da criança, onde elas adquirem enfermidades e até o estado, a gestão perde com isso, pois o número de crianças doentes é maior quando não amamentadas”, explicou.  

 
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado
  • Valdenir Rezende/Correio do Estado

Leia Também