Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

Motivo torpe

Homem que matou ex-mulher em frente a hospital é condenado a 13 anos de prisão

Vítima era funcionária do HR e foi assassinada a facadas, na Capital

29 AGO 2017Por GLAUCEA VACCARI15h:41

O mestre de obras Wilson de Lima, 70 anos, foi condenado a 13 anos de prisão, em regime fechado, por matar a facadas a ex-mulher, Vilma Alves de Lima, 57 anos. Ele não aceitava o fim do casamento e armou emboscada para a vítima. Julgamento foi realizado hoje no 1º Tribunal do Júri de Campo Grande.

Crime aconteceu no dia 5 de janeiro de 2016, em frente ao Hospital Regional Rosa Pedrossian, onde a vítima trabalhava como funcionária do setor administrativo. Wilson foi até o local em horário próximo ao fim do expediente e a enganou dizendo que queria entregar um bilhete.

No pátio, ambos conversavam normalmente, quando o homem desferiu vários de faca contra Vilma. Ela foi socorrida por funcionários do hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

O condenado fugiu após o crime no carro do casal e tentou suicídio. Ele foi preso após ser liberado do hospital.

Wilson foi denunciado por homicídio cometido por motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio, violência doméstica e familiar.

No julgamento, Lima alegou que não se lembrava do que ocorreu no momento do crime.

Conselho de Sentença reconheceu a materialidade e autoria do crime e condenou o mestre de obras por homicídio doloso qualificado pelo recurso que dificultou a defesa da vítima e pelo feminicídio.

Juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida fixou a pena base em 12 anos pelo homicídio qualificado e mais três anos pelo agravante de feminícidio, totalizando 15 anos. No entanto, houve atenuante porque o acusado tem 70 anos e foram diminuídos três anos. Dessa forma, pena definitiva foi fixada em 13 anos de prisão.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também