Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 10 de dezembro de 2018

TRÂNSITO

Homem fica retido em caminhão
depois de acidente em cruzamento

O carro bateu na traseira do caminhão fazendo com que ele tombasse

8 MAR 2018Por MARESSA MENDONÇA E RENAN NUCCI08h:43

Acidente entre caminhão e Corsa deixou motorista de 41 anos ferido na manhã de hoje no cruzamento da Rua Taquari com  Avenida Manoel Ferreira, no Bairro Santo Antônio, em Campo Grande. Ele ficou retido no veículo, foi retirado pelo Corpo de Bombeiros e Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para a Santa Casa.

Segundo informações da tenente dos bombeiros, Janaíne Penteado, o homem seguia com o caminhão pela Rua Taquari no sentido bairro/centro e o motorista do Corsa estava na Avenida Manoel Ferreira, saindo da Duque de Caxias rumo ao bairro, e acabaram batendo quando chegaram no cruzamento.

O carro bateu na traseira do caminhão fazendo com que ele se desequilibrasse, rodasse na pista e tombasse.

Os bombeiros foram acionados com a informação de que a vítima estava presa às ferragens, mas quando chegaram viram que ele estava apenas retido na cabine.

Os militares fizeram procedimento para abrir passagem pelo para-brisa e tiraram o homem que, aparentemente não tinha nenhum ferimento, mas reclamava de dores de cabeça. Ele foi encaminhado para o hospital para exames.

O administrador de fazenda, de 70 anos, que dirigia o Corsa disse que, parou no cruzamento e só viu o caminhão quando já estava saindo. Segundo ele, o outro motorista estava em alta velocidade e, por esse motivo, ele não conseguiu frear a tempo de evitar o acidente. O veículo em que ele estava ficou danificado na parte dianteira, mas ele não se machucou.

A agente de saúde Rochele Gomes Amorim, de 34 anos, que mora na região há 22 anos disse à reportagem do Portal Correio do Estado que os acidentes têm sido frequentes naquele cruzamento e acredita que a instalação de um semáforo ou quebra-molas reduziria os casos.

 
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
  • (Valdenir Rezende/Correio do Estado)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também