Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

Jardim Botânico

Guarda Municipal fará ronda para evitar invasões em áreas públicas

Em torno de 100 pessoas entraram em terreno da prefeitura hoje

28 JUN 2017Por RODOLFO CÉSAR18h:17

A Guarda Municipal conseguiu retirar o grupo de pessoas que invadiu área pública da Prefeitura de Campo Grande no bairro Jardim Botânico, hoje. Equipes agora fazem patrulhamento e trabalho deve continuar durante a noite e pelo menos até esta quinta-feira (29) para evitar novos atos.

Em torno de 100 pessoas invadiram o local na Rua Alfredo Saad, por volta das 5h. Os invasores alegaram que querem pressionar o governo municipal a agilizar o processo de entrega de casas para quem já é cadastrado na Agência Municipal de Habitação (Emha) e na Agência Estadual de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab).

Além da Guarda, fiscais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) foram para a região para conversar com os invasores.

A Emha emitiu nota oficial na tarde de hoje e informou que as pessoas identificadas na invasão e estiverem cadastradas no sistema da agência devem ficar inabilitadas para participar de próximos programas habitacionais por quatro anos.

"Quanto à área invadida no Jardim Botânico, não há qualquer possibilidade de regularização e/ou pagamento de supostos lotes, e que, se estão sendo demarcados, é à revelia da Agência. Não há entrega de senhas para loteamento e a população deve denunciar invasões de áreas públicas à Prefeitura", informou comunicado.

O diretor-presidente da agência, Enéas Netto, defendeu que está em processo uma política de moralização da pasta e está sendo tratada com prioridade as situações de pessoas que aguardam há anos na fila. No cadastro há cerca de 42 mil pessoas a espera de uma moradia social.

A Prefeitura de Campo Grande atualmente está em processo para formalizar a construção de 1004 unidades habitacionais pelo programa Minha Casa Minha Vida. Também há negociação para liberação de recursos que poderiam viabilizar construções na cidade.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também