Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

INTEGRANTES DO PCC

Grupo que aplicava golpe do falso frete no Estado recebia ordens de presos

Em agosto, motorista foi amarrado e amordaçado durante roubo

1 SET 2017Por MARESSA MENDONÇA11h:43

A polícia conseguiu identificar parte de quadrilha especializada em aplicar golpe do falso frete em Mato Grosso do Sul. Os integrantes do grupo criminoso recebiam ordens de presos para cometerem os crimes. Alguns deles fazem parte da facção Primeiro Comando da Capital (PCC).

O grupo foi descoberto por policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar uma semana depois de terem feito uma vítima em Campo Grande. Na ocasião, o motorista foi amarrado e amordaçado pelos criminosos.

Os militares prenderam Jonathan Henrique, Erickson Velasquez e Erivelton Cebalho que, era responsável por guardar a arma do crime.

Depois dessas prisões, eles identificaram outros três integrantes que já estavam presos: Emerson Malta Ferreira, Ricardo de Souza,  Maurício Corrêa de Oliveira, o líder do grupo.  

O CRIME

No dia 24 de agosto, homem de 62 anos foi vítima do golpe do falso frete e ficou durante seis horas sob a mira de um revólver em Campo Grande. Ele foi resgatado por militares do Batalhão de Choque da Polícia Militar amordaçado, com mãos e pés amarrados.

O motorista contou que foi contratado por celular para fazer um frete da Capital até a cidade onde mora, Rondonópolis (MT).

O encontro com o falso contratante aconteceu em frente ao Atacadão, na saída para Cuiabá. Dois criminosos armados entraram no caminhão e anunciaram o assalto.

O motorista foi levado para casa na Rua Otacílio Machado no Jardim Nhanha, amarrado e amordaçado. Ele ficou vigiado por um dos ladrões até as 2h. O outro fugiu com o caminhão.

Durante a madrugada, policiais receberam ligação anônima em que informavam sobre a localização da vítima. Eles foram ao local e conseguiram resgatar o homem.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também