Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

Cempe

Grupo El Kadri recorrerá de decisão
que desobrigou Prefeitura de pagar aluguel

Valor de R$ 2,7 milhões é referente a centro pediátrico criado por Olarte

25 AGO 2017Por LUCIA MOREL15h:45

Em resposta ao Correio do Estado, Omar Kadri, advogado da El Kadri Participações e Investimentos Imobiliários Ltda, informou que entrará com recurso de apelação contra decisão judicial que desobrigou a prefeitura de pagar o aluguel em atraso do antigo prédio do Centro Municipal Pediátrico (Cempe), pertencente ao grupo.

Ele afirmou que até dia 28, quando vence o prazo recursal, a apelação será apresentada. “Estamos vendo a melhor estratégia, com melhor fundamentação”, explicou. Esta ação corre na 4ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos.

Disse ainda que em outra ação que tramita na 1ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos, pediu, em 2015, a desocupação total do imóvel, o que teria ocorrido apenas em agosto de 2016, com entrega das chaves. 

“O prédio está sucateado, em péssimo estado de manutenção”, afirmou, ao destacar que planeja uma terceira ação contra a prefeitura, com pedido de indenização.

Processo impetrado pelo grupo e que tramita na 4ª Vara desde junho de 2016 definiu em julho deste ano que as provas apresentadas pela El Kadri Participações para cobrar o pagamento foram insuficientes. 

“Do cotejo analítico dos poucos documentos juntados ao feito, não se vislumbra a existência de qualquer prova suficiente a entregar base ao que sustenta o requerente”, argumento o juiz Alexandre Tsuyoshi Ito. O valor requerido é de R$ 2.798.005,12.

DECISÃO JUDICIAL

Juiz Alexandre Tsuyoshi Ito, da 4ª Vara de Fazenda Pública e de Registros Públicos decidiu que a Prefeitura não precisa pagar R$ 2,7 milhões do antigo Hospital Sírio Libanês ao grupo El Kadri, onde, durante gestão do ex-prefeito Gilmar Olarte, funcionou o Cempe.

O  valor do aluguel (R$ 194 mil por mês na época) chegou a ser alvo de questionamentos do Ministério Público Estadual. 

Alega a El Kadri Participações que apenas os dois primeiros meses de uso do prédio – outubro e novembro de 2014 – foram quitados pela prefeitura, na época, administrada por Olarte, e cobra aluguel de dez meses, entre dezembro de 2014 e outubro de 2015, bem como de outros 12 meses, entre outubro de 2015 e outubro do ano passado.

Também afirma que, de forma “automática”, o contrato de aluguel foi renovado depois de um ano de locação (outubro de 2015), mesmo período em que Alcides Bernal (PP) desativou o local, depois de retornar à administração municipal – com a saída de Olarte por sentença judicial –, em agosto daquele ano. 

O entendimento do magistrado em sua sentença foi de que “não se verifica nos autos a existência de nenhuma notificação ao ente municipal, ou mesmo de comprovante/recibo de pagamento datado de período posterior ao avençado como data de vencimento do aluguel” e ainda que, “no que se refere ao inadimplemento total das parcelas atinentes ao período de 5 (cinco) de novembro de 2015 a 5 (cinco) de junho de 2016, não se tem prova de que o contrato de locação encontrava-se vigente em tal período”.

Na decisão, Ito também sustenta que, em relação à alegação da El Kadri Participações de que foi feito pedido de despejo da prefeitura do local, “a parte autora, mesmo sendo-lhe oportunizada a produção de outras provas, além das já juntadas aos autos, manifestou-se no sentido de não possuir interesse na prática de tal ato, ficando tal alegação sem suporte em provas”.

O procurador municipal Alexandre Ávalo disse que a decisão de Ito não tem caráter definitivo e, por isso, há possibilidade de recurso do grupo. No entanto, “é claro que se entrarem com recurso, nós vamos recorrer”.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também