Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

protesto marcado

Grupo de servidores cobram
incorporação salarial da prefeitura

Categorias preparam protesto para esta quinta-feira

19 JUL 2017Por LUCIA MOREL18h:16

Os cerca de 800 servidores municipais chamados de referência 14, em alusão à classificação salarial da categoria, esperam resposta da prefeitura sobre incorporação de R$ 752 ao salário-base.

A administração municipal, segundo o diretor social do Sindicato dos Servidores Municipais (Sisem), Willian de Freitas, não quer que essa incorporação seja feita, por limitação da Lei de Responsabilidade Fiscal.

Pelo menos 200 deles estiveram esta manhã em protesto em frente ao Paço Municipal para reivindicar a incorporação.

Tais servidores são o que têm curso superior e atuam em setores como fonoaudiologia, psicologia, terapia ocupacional, fisioterapia, educadores físicos, entre outros. “O que eles querem é a incorporação desse abono, mas a prefeitura está irredutível”, comentou Freitas.

Já se preparando para almoçar no local, já que protesto começou às 11 horas, 200 marmitas foram preparadas e levadas para a frente da prefeitura, na avenida Afonso Pena. O presidente do Sisem, Marcos Tabosa, está reunido com o prefeito Marcos Trad (PSD) para tentar resolver o impasse. 

Para o prefeito, que hoje de manhã assinou os decretos de reajuste dos Odontólogos, Médicos e Médicos Veterinários, disse em relação à referência 14 que “alguns pedidos deles podem ser atendidos, outros são impossíveis”, destacou, enfatizando que apesar das reivindicações, todos os servidores sabem das dificuldades financeiras do município.

Durante reunião realizada hoje não houve acordo e um novo encontro voltará a acontecer no dia 26, às 11h. O Sisem divulgou que nesta quinta (20), às 11h20, haverá protesto na frente da Prefeitura de Campo Grande.

*Colaborou Rodolfo César.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também