Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

CAOS NA SAÚDE

Greve e falta de contrato emperra implantação de
32 leitos de UTI na Capital

Previstos pelo Estado, unidades não podem ser instaladas no Hospital Universitáiro nem na Santa Casa

5 AGO 2015Por DA REDAÇÃO00h:00

A greve dos servidores do Hospital Universitário e a falta de contrato entre a Santa Casa de Campo Grande e a prefeitura emperram a instalação de 32 novos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na Capital. Prometidos pelo governo do Estado em junho, nenhuma das unidade saiu do papel. Os servidores do HU estão parados desde 11 de junho e o contrato entre a administração municipal e o maior hospital de Mato Grosso do Sul venceu no dia 7 do mesmo mês. 

Entre as negociações para a recontratualização dos serviços da Santa Casa, foi feita a proposta de aumento de repase ao hospital na casa dos R$ 3,5 milhões e mais R$ 1 milhão divididos entre a instalação de 10 leitos de UTI e a compra de equipamentos. A diretoria da Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG) rejeitou a proposta, já que pede o repasse integral de R$ 4,5 milhões, mais os cerca de R$ 16 milhões que já são recebidos mensalmente, totalizando R$ 20,5 milhões custeados pelo Sistema Único de Saúde. A Santa Casa tem atualmente 94 leitos de UTI em funcionamento e lotados. 

O secretário de saúde do Estado Nelson Tavares afirmou que, além da abertura de novos leitos, foi oferecida contratação de pessoal, serviço de consultoria e melhoria do programa de informática do hospital. 

(*) A reportagem, de Anny Malagolini, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também