Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Primeiro de MS

Grávida com morte cerebral mantida
viva para gerar filho é 3º caso do Brasil

Essa é a primeira vez que caso é registrado em Mato Grosso do Sul

2 MAR 17 - 12h:11ALINY MARY DIAS E KLEBER CLAJUS

A história comovente da grávida campo-grandense Renata Souza Sodré, de 22 anos, que há mais de um mês teve morte cerebral constatada e é mantida viva para gerar o filho, é o primeiro registrado em Mato Grosso do Sul e o terceiro de que se tem notícia no Brasil. A equipe médica responsável pela gestação da jovem detalhou, no final da manhã de hoje, como estão sendo feitos os cuidados da jovem.

Grávida de quase cinco meses, Renata passou mal em casa e foi socorrida até posto de saúde no bairro Tiradentes no fim do mês de janeiro. No dia 30, já na Santa Casa, ela teve Acidente Vascular Cerebral (AVC) e morte cerebral. Desde então, por autorização da família, Renata é mantida viva até que o bebê complete 28 semanas, prazo a ser completado só daqui a cinco semanas.

A médica intensivista Patrícia Leal, que integra a equipe da Santa Casa responsável pelos cuidados de Renata, conta que ela está em um leito de isolamento na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Os cuidados são redobrados para que ela não tenha qualquer tipo de infecção que acelere o nascimento do filho. Além de aparelhos, medicamentos intravenosos são usados para manter a jovem viva. 

"A Renata veio para a Santa Casa com um quadro muito parecido a gestante do Paraná. Ela também teve hemorragia cerebral, passou por neurocirurgia e não teve melhora. No dia 30 foi diagnosticada morte cerebral, conforme protocolo do Conselho Federal de Medicina"

Segundo a médica, outros dois casos semelhantes ocorridos em Colatina (ES) e Campo Largo (PR) estão ajudando a equipe da Capital sobre os procedimentos que são feitos. Intercâmbio com equipe do Espírito Santo já é feito e contato com médicos paranaenses devem ocorrer em breve. Outra ajuda os médicos da Capital buscam com equipe de Portugal, que tem estudo publicado sobre gestantes que têm morte cerebral.

“O caso dela é especial pela formação do bebê, até o momento ele está estável e são realizados ultrassom mais de uma vez por dia. Tem se apresentado bastante ativo, com batimentos cardíacos adequados e medidas estão batendo com idade gestacional”.

Assim que o bebê atingir as 28 semanas de vida dentro do útero de Renata, cesárea será feita e a mãe deve voltar para a UTI, onde equipe especializada em transplante de órgãos analisará a jovem para decidir o que poderá ser doado. A família da jovem autorizou doação de todos órgãos, com exceção das córneas.

“Órgãos estão estáveis, assim que se faça o parto, ela volta para UTI para verificarmos quais podem ser doados”, conta a enfermeira chefe da da comissão hospitalar responsável por doações de órgãos, Ana Paula Neves.

Enfermeira chefe e médica falam sobre caso de gestante (Foto: Kleber Clajus/Correio do Estado)

A HISTÓRIA 

Aos 25 anos, Eduardo Noronha vive o drama de acompanhar a gestação da esposa que está internada em um leito de Unidade Terapia Intensiva (UTI), sem chances de sobreviver.

Ele conta que vivia com a esposa no bairro Vivendas do Parque, que Renata tinha boa saúde e trabalhava com serviços gerais. Há pouco mais de um mês, a jovem passou mal em casa e foi levada até posto de saúde do bairro.

O estado de saúde se agravou e a gestante precisou ser transferida para a Santa Casa de Campo Grande. Depois de dois dias, ela sofreu Acidente Vascular Cerebral (AVC) e teve morte cerebral constatada.

Após o impacto de saber sobre a morte, a família foi comunicada pela equipe médica do hospital que Renata poderia ser mantida viva para que o bebê, um menino que a família chamará de Iago, ficasse forte o suficiente para ser trazido ao mundo por meio de uma cesárea.

Todos aceitaram e desde então Renata é mantida viva por aparelhos. “O que ela mais queria era ter um filho, e eu não ia desistir do sonho dela", conta Eduardo, que tomou a decisão em companhia da mãe e irmã de Renata. 

Atualmente, Renata está com 23 semanas de gravidez e o bebê só poderá ser retirado quando completar 28 semanas. Aos sete meses, daqui a pouco mais de um mês, Renata dará a luz e terá os aparelhos que a mantêm viva desligados.

"Foi uma fatalidade, mas decidimos manter a criança porque por mais que uma vida não troque a outra, teremos uma lembrança dela", completa Eduardo.

Para a família, que autorizou a doação de órgãos da gestante, ficará a lembrança de uma jovem que partiu cedo, mas que conseguiu cumprir a missão que mais queria: ser mãe. 

Família espera chegada de Iago, bebê gerado por grávida com morte cerebral (Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Campo Grande tem 71 radares em operação; Veja locais
FISCALIZAÇÃO ELETRÔNICA

Campo Grande tem 71 radares em operação; Veja locais

Pagamento de dívidas é principal destino para saque do FGTS
SAQUE DO FGTS

Sul-mato-grossense quer usar R$ 500 para reformas e viagens

Especialista alerta para que <br>pessoas não enfrentem o fogo
COM INCÊDIOS DIÁRIOS

Alerta: os perigos de tentar apagar incêndios

Sampaoli faz treino para enfrentar o Grêmio

Sampaoli faz treino para enfrentar o Grêmio

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião