Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Fim de convênio

Fora da prefeitura, Seleta e Omep
buscam sobrevivência

Entidades reduziram bruscamente o número de funcionários

5 JUN 17 - 04h:00DA REDAÇÃO

As fachadas simples com a presença de adolescentes e crianças da Organização Mundial para Educação Pré-Escolar (Omep) e da Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária (SSCH) serviram de cenário perfeito à Prefeitura de Campo Grande, por mais de dez anos, para driblar a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Investigação responsável por revelar o esquema deixou as instituições, criadas para desenvolver projetos sociais, atreladas à ilegalidade.

Com pedidos de indenização e cortes de serviços oferecidos à comunidade, as entidades procuram manter o caráter social e superar o estigma de cabide de empregos.

Apesar da nobre missão institucional, as instituições se sujeitaram, em várias administrações municipais, a servir como agências de empregos à prefeitura, em troca de uma comissão de 5%. Portanto, quanto mais funcionários contratados por indicação da administração municipal, mais repasses públicos estes projetos recebiam.

Decisão judicial do ano passado, do juiz David de Oliveira Gomes, obrigou a prefeitura a demitir todos os funcionários contratados por meio do convênio, até o dia 20 deste mês.

A Omep reduziu significativamente o número de funcionários internos – antes eram 80 e agora são apenas 30; além disto, restringiu alguns projetos para se adequar ao orçamento reduzido em consequência do rompimento da parceria. 

A manutenção da Seleta com o rompimento do convênio é um caso mais delicado. A instituição praticamente funcionava apenas com funcionários contratados por meio do convênio. 

*Leia reportagem, de Tainá Jara, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Após chuva, ônibus atola em rua não pavimentada no Cristo Redentor
ANO CHUVOSO

Após chuva, ônibus atola no Cristo Redentor

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita
OPERAÇÃO PANDORA

Em MS, 350 profissionais terão de rever declaração na Receita

MS pode ter recurso anual de R$ 200 milhões com mudança no Fundeb
EDUCAÇÃO BÁSICA

MS pode ter recurso de R$ 200 mi com mudança no Fundeb

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos
DESENVOLVIMENTO LOCAL

Fábrica de MDF em Água Clara oferecerá 100 novos empregos

Mais Lidas