Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

OPERAÇÃO

Fiscalização do Procon encontra irregularidades em três farmácias da Capital

Fiscais encontraram produtos vencidos e divergências de preços

29 JUN 2017Por GLAUCEA VACCARI18h:16

Fiscalização da Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon/MS) encontrou irregularidades em duas farmácias de Campo Grande, na manhã de hoje. Operação deve continuar nos próximos dias.

Hoje, três estabelecimentos de diferentes foram alvo da vistoria, que é feita em parceria com o Conselho Regional de Farmácia de Mato Grosso do Sul (CRF/MS) e com a Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Contra as Relações de Consumo (Decon).

Foco da operação é verificar divergência de preços, condições de armazenamento de medicamentos, venda de remédios controlados, documentos vencidos e precificação. Conselho Regional de Farmácia também verifica a presença do responsável técnico e a documentação.

Em dois estabelecimentos, fora verificadas difetençãos em torno de 10% entre os preços dos produtos expostos nas prateleiras com os registrados nos caixas.

Também foram constatados 24 itens vencidos expostos à venda, entre fraldas geriátricas, salgadinhos, refrigerantes, três pomadas anti-inflamatórias, suplementos alimentares e uma unidade de alimento nutricional destinado a crianças. Os produtos vencidos foram descartados na presença dos fiscais.

ORIENTAÇÃO

O Procon alerta os consumidores quanto à importância de verificar a data de validade dos medicamentos, tanto na hora da compra, quanto os guardados nas residências.

Medicamentos vencidos não podem ser descartados no lixo comum ou nas redes de esgoto, devido aos riscos para a saúde pública. Consumidor deve descartar os produtos em pontos de coleta nas farmácias, que fazem o descarte correto dos remédios, destinados à incineração.

Caso o consumidor encontre irregularidades, como produtos vencidos expostos à venda, ausência de preços na vitrine, demora na fila de banco e outras lesões nas relações de consumo que demandam fiscalização, pode fazer a denúncia pelo número 151.

Leia Também