Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

ajuda necessária

Famílias de vítimas da violência unem-se para realizar campanha

Grupos tentam levantar doações para mãe de Kauan

29 AGO 2017Por RODOLFO CÉSAR19h:22

A família de Mayara Amaral, musicista assassinada em julho, em Campo Grande, está promovendo campanha para ajudar a mãe e os irmãos de Kauan Andrade Soares dos Santos, 9 anos, estuprado, morto e esquartejado também na Capital. As vítimas da violência juntaram-se para alertar para os perigos que a miserabilidade pode gerar.

No domingo (27), uma irmã, a mãe e uma prima de Mayara Amaral visitaram a família de Kauan, que mora no Jardim Colorado. Foram levadas algumas doações como roupa e comida que puderam ser reunidas a partir de amigos.

"A situação em que a família vive é de cortar o coração de qualquer um. O delegado responsável pela investigação do caso (Paulo Sérgio Lauretto) falou que Kauan não só foi vítima de pedofilia, de necrofilia e de outras forma de abuso, mas que ele também foi vítima de miserabilidade. Miserabilidade!", lamentou a irmã de Mayara, Pauline Amaral, que fez a visita.

Apesar do material levado, a família de Mayara pediu que quem puder, faça as seguintes doações: alimentos, roupas (de bebê de 9 meses até adolescente de 14 anos), materiais de higiene pessoal, brinquedos, bolachas, doces, entre outros.

Como a casa onde Kauan morava está inacabada, familiares de Mayara sugeriram que seja feito um mutirão para haver assentamento de piso e realização da pintura.

"É fundamental ajudarmos essa família a recuperar a dignidade nesse momento tão difícil. Roupa, comida e um lar que pode ser chamado de lar. É só isso. Eles só precisam do fundamental", comentou Pauline.

PARA DIVULGAR

O Coletivo Feminista Lidia Baís vai realizar bazar no dia 7 de setembro para reunir recursos para a família de Kauan. O evento vai acontecer no Drama Bar, que fica na Avenida dos Estados, nº 21, a partir das 16h.

Serão vendidas diversas peças de roupa e também doces e toda a renda vai ser revertida para a mãe do menino de 9 anos.

Pauline, que faz parte do Coletivo, comentou que ela está disponível para ajudar no caso de buscar objetos que podem ser doados. Para entrar em contato com ela, veja aqui.

O bazar tem uma página no Facebook que pode ser compartilhada para tentar levar mais pessoas ao evento. Leia detalhes neste link.

Leia Também