Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

família de Adilson

Familiares e amigos lamentam
morte de jovem em redes sociais

Mãe da vítima ficou mais de duas horas esperando recolhimento do corpo no local do crime

24 SET 2017Por Izabela Jornada10h:13

Familiares e amigos de Adilson Ferreira dos Santos, 23 anos, assassinado na madrugada de hoje, durante show no Shopping Bosque dos Ipês, lamentaram a perda do jovem em redes sociais. A vítima tem uma filha de quatro meses. A criança vive em Santa Catarina.

“Meu irmão morreu. Um policial de folga matou ele por causa de uma fila de banheiro no show do Henrique e Juliano e até agora não liberaram o corpo (sic)”, declarou a irmã da vítima, Gleycy Alves dos Santos. 

Outra amiga, por meio de mensagem, lembrou o carinho do jovem pela irmã. “Meus sentimentos minha linda, que Deus os conforte nessa hora de dor e tristeza, fique com as lembranças boas porque você sabe o quanto ele amava vocêc..”, disse. 

A mãe do jovem, Marlene de Souza Silva, estava desconsolada na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro, em Campo Grande, aguardando documento da liberação do corpo para encaminhar à funerária. “Ele era um bom menino, estava me ajudando a terminar de assentar o piso lá de casa”, lamentou ela.

No momento em que Adilson foi baleado, primos e amigos do jovem ligaram para a mãe dele informando que o mesmo havia se envolvido em briga e estava caído no chão do shopping. "Corri para lá e encontrei meu filho ensanguentado no chão. Isso era umas 3h da madrugada. Foram retirar o corpo dele só às 5h", disse a mãe. 

Logo que Adilson foi baleado, a polícia foi acionada e as testemunhas foram retiradas do local e encaminhadas para a Depac Centro. "Tem mais testemunhas que serão ouvidas ainda", adiantou o delegado, Reginaldo Salomão.

Adilson estava trabalhando na Estância Montana, chácara de eventos, no setor de limpeza da empresa e estava morando em Campo Grande há menos de um ano. “Ele morava em Brusque, Santa Catarina, mas veio embora há pouco tempo e essa era a primeira vez que ele ia sair aqui”, declarou a mãe. 

A irmã de Adilson disse também que o jovem havia descoberto, há pouco tempo, que tinha uma filha em Santa Catarina. “Ela é linda, tem quase quatro meses”, mostrou. 

Segundo a mãe de Adilson, o jovem estava se programando há meses para ir ao show do lançamento do DVD da dupla sertaneja Henrique e Juliano.

“Ele tinha comprado o convite do camarote do show há quatro meses e não via a hora de chegar esse show. Mas eu sentia que não era pra ele ir”, lamentou Marlene que tinha apenas Adilson de filho homem. “Ele era do meu primeiro casamento. Do segundo tenho mais duas meninas”. 

ENTENDA

De acordo com o delegado da Depac-Centro, Reginaldo Salomão, agente penitenciário, 33 anos, disparou tiro de pistola .40, que atingiu o tórax da vítima, durante desentendimento. Adilson Ferreira dos Santos morreu no local.

“As testemunhas declararam que eles se desentenderam na hora de usar o banheiro e parece que o jovem avançou no agente e este disparou o tiro, atingindo Adilson”, explicou o delegado.

Considerando o caso complexo, delegado disse que lamenta muito por se tratar de colega e principalmente porque a vítima era “uma pessoa do bem”. “Lamentamos muito. Ele era um jovem do bem, não tinha antecedentes criminais e também ficamos triste porque se trata de um agente”, expressou o delegado.

O agente penitenciário foi encaminhado para a Delegacia de Repreensão a Roubo, Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) devido a complexidade do caso. “Agentes penitenciários estão em greve. Imagina colocar um agente na penitenciária agora? Ainda mais por ter matado alguém? Podemos ocasionar um caos maior e por esse motivo vamos encaminhá-lo para outro lugar”, disse o delegado. 

O autor do crime, que foi autuado por homicídio doloso, está preso no Garras. Ele estava comemorando seu aniversário na ocasião do show. “Com certeza não era essa a comemoração que ele planejava”, finalizou o delegado. 

Adilson Ferreira dos Santos, 23 anos, morreu assassinado com tiro no peito. Foto: Bruno Henrique/Correio do Estado

Leia Também