Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

licitação esvaziada

Exército não consegue comprar
material para obras em vias

Governo municipal não menciona que pode ser boicote de empresas

7 AGO 2017Por DA REDAÇÃO20h:49

O Exército, que realiza obras de requalificação de ruas no Corredor Sudoeste do transporte coletivo de Campo Grande enfrenta dificuldades para compra de material para as obras.

Para a contratação de serviço terceirizado para instalação de bocas de lobo, calçadas e meio-feio, o processo foi aberto três vezes, mas por duas o Exército desclassificou as empresas porque elas não apresentaram atestado de capacidade técnica. Na outra, nenhum interessado concorreu.

Ainda houve quatro tentativas de compra de pavimento polimerizado que será usado na via, mas nenhuma empresa interessou no certame.

O secretário municipal de Obras da Capital, Rudi Fiorese, ponderou que o concreto betuminoso usinado a quente (CBUQ polimerizado) é pouco usado na cidade e no Estado. Não houve menção se estaria ocorrendo algum tipo de esvaziamento proposital das licitações. Quando o Exército foi assumir o serviço, houve protesto de empreteiras.

"A Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos está agindo em parceria com o Exército para que o processo licitatório de obras terceirizada e aquisição de material seja concluído", divulgou nota da Prefeitura de Campo Grande.

Os militares informaram hoje que três novas frentes de drenagem ao longo da Rua Bilhante e na Vila Jacy serão executadas.

"Também está prevista a finalização do recapeamento em trechos da Avenida Salgado Filho, onde foram construídos poços de visita, rede de drenagem na Rua Brilhante, onde o CBUQ será aplicado na primeira quadra para repor o pavimento retirado depois de um remendo profundo (quando a base é refeita depois de retirado o asfalto antigo, já comprometido)", informou nota.

VILA JACY

Na Vila Jacy, a intervenção começará no cruzamento das ruas Brigadeiro Tobias com a José Paes de Faria, por onde a tubulação subirá atravessando a Avenida Bandeirantes para  se conectar a drenagem da Rua Brilhante e escoar as águas pluviais até desembocar no Rio Anhanduí.

As outras frentes serão todas em cruzamentos da Brilhante, onde desde o início da semana já estão em andamento obras de drenagem na Argemiro Fialho e na confluência com a Brilhante. Estão programadas obras de escavação, nivelamento, assentamento de tubo e reconstrução de poços de visita, na Rua Ciriaco Maymone.

INTERDIÇÕES

Como estas obras vão exigir interdições pontuais no trânsito de ruas das regiões impactadas, de acordo com o secretário de Infraestrutura e Serviços, Rudi Fiorese, o cronograma de serviço é feito em sintonia com a Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito).

“Este período de estiagem é fundamental para adiantar o cronograma das obras de drenagem, que terão um ritmo menor a partir de outubro, quando começa o período de mais chuva”, explicou Rudi.

A expectativa é executar em média 15 metros de tubulação por dia, o dobro do desempenho obtido nesta primeira etapa da obra.  Foram feitos 250 metros dos seis quilômetros previstos em todo o trajeto do corredor (Guia Lopes, Brilhante, Marechal Deodoro/Gunter Hans e Bandeirantes).

Outro fator que atrapalhou o andamento foi a falta de um mapeamento das tubulações de água e esgoto, gás natural e telefonia.

Na Avenida Salgado Filho, quase esquina com a Guia Lopes, por exemplo, a abertura da valeta para instalar uma tubulação revelou uma rede da Águas Guariroba que o projeto não identificava. Para contornar a situação, foi preciso construir a rede mais próxima da superfície, e com uma cobertura de concreto.

“Não se trata apenas de recapeamento, mas de requaficação das vias”, explicou o capitão Filipe Almeida Correa do Nascimento, engenheiro técnico responsável.

Até agora, de R$ 24.046.944,07 destinados à obra, R$ 1.386.968,52 foram efetivamente utilizados, alcançando 8% de conclusão.

Do total a ser investido, R$ 17.135.983,27 são para utilização exclusiva do Exército e outros R$ 6.914.110,25 para uso nas licitações que vão terceirizar serviços.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também