Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

crime bárbaro

Exame de DNA vai confirmar se Fátima de Jesus sofreu estupro antes de morrer

Ela e o marido foram brutalmente assassinados em distrito da Capital

20 JUL 2017Por RODOLFO CÉSAR16h:39

A pedido do delegado Fábio Peró, da Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), a perícia criminal recolheu material genético dos principais suspeitos de participação no assassinato do ex-vereador Cristóvão Silveira, 65 anos, e sua esposa, Fátima de Jesus Diniz Silveira, 56.

Exames de DNA vão ajudar a Polícia Civil a confirmar o estupro sofrido por Fátima e permitir a identificação de quem foi o autor. Cristóvão foi encontrado com o rosto desfigurado por conta de golpes de facão, enquanto Fátima teve parte do corpo queimado e foi encontrada seminua.

O caseiro do sítio onde o casal vivia, Rivelino Mangelo, 45 anos, e os filhos dele, Alberto Nunes Mangelo, 20, e Rogério Nunes Mangelo, 19, são os principais suspeitos do crime, que aconteceu no final da tarde de terça-feira (18). Todos eles foram presos ontem (19) por policiais militares do Batalhão de Choque (BPChoque).

Rivelino chegou a ser preso em Campo Grande, mas os filhos dele estavam em casas diferentes em Anastácio. A equipe do BPChoque deslocou-se na cidade para realizar as detenções.

Um quarto suspeito de participar do homicídio é Diogo André dos Santos, 19, que estava em Corumbá com a caminhonete roubada do casal. Ele foi baleado em confronto com a polícia e morreu horas depois na Santa Casa daquela cidade.

Rivelino e Diogo são apontados como os principais suspeitos de terem praticado o estupro. "Vai ser extraído o material genético para identificar o possível estupro e a autoria. O caseiro e os filhos permanecem no Garras para realização desses procedimentos e só depois devem seguir para o presídio. É um procedimento que dura, em média, dois dias", explicou Fábio Peró.

O inquérito montado no Garras por enquanto relaciona os crimes de latrocínio, estupro e associação criminosa. A investigação procede para obter o desdobramento sobre a autoria da violência sexual.

PRISÃO PREVENTIVA

Rivelino e os filhos passaram por audiência de custódia hoje pela manhã e a prisão em flagrante foi convertida em preventiva (sem prazo para finalizar). O juiz plantonista Roberto Ferreira Filho foi quem deu o despacho.

O caseiro ainda relatou ao magistrado que teria sido agredido por policiais quando foi preso e por isso Filho determinou que ele passasse por exame de corpo de delito para identificar as lesões. Rivelino machucou o pé durante o crime e chegou a pedir ajuda em um bar.

HISTÓRICO

Duplo assassinato aconteceu no Sítio Bem Te Vi, de propriedade das vítimas, localizado no km 24 da MS-080, na região do Distrito de Aguão, em Campo Grande.

Ação dos criminosos teve início por volta das 16h de terça-feira e terminou às 18h. Polícia descobriu cerca de duas horas depois.

No sítio existem quatro imóveis, sendo um ocupado pelas vítimas, um onde mora o caseiro com a esposa cadeirante a filha de 13 anos, um onde são armazenados ferramentas e sacos de ração e, por fim, outro desocupada. Crime aconteceu no imóvel utilizado como depósito.

Fátima estava com a calça abaixada na altura dos pés, vestia apenas calcinha e uma blusa. Ela teve o corpo queimado, em seu pescoço havia um corte profundo e a suspeita é de que tenha sido estuprada pelos marginais.

No cômodo ao lado, foi encontrado o corpo do ex-vereador. Ele estava com vários cortes provocados por facão e teve o rosto desfigurado. Silveira foi escalpelado – teve o couro cabeludo arrancado- e os dedos da mão decepados, provavelmente, ao tentar se defender dos golpes.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também