Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

recursos parados

Estado e prefeitura prometem empenho
para destravar mais R$ 300 milhões

Verba ainda não veio para Capital por falta de projetos e contrapartidas

4 SET 17 - 20h:10RODOLFO CÉSAR E TAINÁ JARA

O governo do Estado e a Prefeitura de Campo Grande prometem obter fôlego para destravar mais R$ 300 milhões que estão represados na União para realizar obras. Esse é o projeto a curto prazo que foi mencionado pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e o prefeito Marcos Trad (PSB) hoje à noite, na Câmara Municipal.

Eles reuniram-se para assinatura de acordo que permitiu a liberação de R$ 15 milhões para empreendimentos na Capital. Esse dinheiro está agrupado a etapa que totaliza R$ 180 milhões de verba federal. Esses recursos estão sendo usados, por exemplo, para intervenção de drenagem e asfaltamento no bairro Nova Lima e também foram utilizados na Via Park.

A verba dessa primeira etapa contempla 28 obras que estavam paradas em Campo Grande entre um ano a mais de quatro anos. "A gente conseguiu nessa primeira etapa resgatar R$ 180 milhões para 28 obras paralisadas há muito tempo. Estamos buscando outros recursos agora que podem totalizar mais de R$ 300 milhões", explicou Azambuja.

Para garantir que o dinheiro seja liberado para a Prefeitura da Capital, o Estado vai intervir com repasse de contrapartida. Permitir que outros R$ 300 milhões sejam encaminhados pelo governo federal à cidade vai exigir que o governo estadual entre com contrapartida de R$ 65 milhões.

"Esse dinheiro vem do orçamento geral da União, de recursos de empréstimos. Ficaram parados por conta dos quatro anos (que a cidade ficou) adomercidos", indicou o governador, ao mencionar a crise administrativa que Campo Grande enfrentou com as saídas de prefeitos entre 2013 e 2016.

Marcos Trad confirmou que os R$ 15 milhões já estão liberados e a próxima etapa é realizar licitações para diversas obras, entre elas a revitalização da Avenida Ernesto Geisel, que fica às margens do Rio Anhanduí. "Nossa cidade voltou a ter credibilidade. Na região norte algumas obras já começaram, como pavimentação e drenagem", pontuou.

Ele detalhou que quando assumiu, em janeiro deste ano, R$ 500 milhões estavam bloqueados no governo federal. "Estamos destravando quase R$ 200 milhões nessa primeira etapa", comemorou.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Por nota, presidente do TJ-MS também repudia pedido de Dodge
JUSTIÇA

Por nota, presidente do TJ-MS também repudia pedido de Dodge

Moro cria força-tarefa para analisar redução de impostos de cigarros
ECONOMIA

Moro cria grupo pela redução de impostos de cigarros

MPF denuncia portugueses da mesma família por falsificação de documentos
CAMPO GRANDE

Portugueses da mesma família falsificavam documentos

Ex-policial é surpreendido com panfletos pedindo sua saída do bairro
CAMPO GRANDE

Homem acorda com panfletos pedindo sua saída do bairro

Mais Lidas