Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 18 de janeiro de 2019

Operação

Esquema de empreiteiras de João Amorim é alvo de operação da PF, CGU e Receita Federal

Empresário é o que mais conquistou licitações no Governo e Prefeitura nos últimos anos

9 JUL 2015Por ALINY MARY DIAS E CELSO BEJARANO07h:22

O empresário João Krampe Amorim, empreiteiro que mais conquistou licitações do Governo do Estado e da Prefeitura nos últimos anos, é alvo de operação da Polícia Federal em conjunto com a Controladoria Geral da União e a Receita Federal. Servidores cumprem mandado de busca e apreensão desde às 6 horas desta quinta-feira (9).

Depois de meses de investigação, a operação tem objetivo de desmontar esquema envolvendo empreiteiras de Amorim e família, como é o caso da LD Construções, em nome do genro do empresário, Luciano Dolzan.

Em toda a cidade, a Polícia Federal cumpre mandados em pelo menos cinco pontos. Uma das casas alvo da operação é da secretária de Amorim, Elza Cristina Araújo dos Santos.

Há informação de que servidores da Agência Estadual de Gestão e Empreendimentos (Agesul) também são alvo da operação.

MILIONÁRIO

Por meio das publicações no Diário Oficial do Estado, de 2011 até o fim do ano passado, a Proteco venceu concorrências para pavimentar estradas ou restaurar asfalto que superam, com sobra, a casa dos R$ 200 milhões.

O empreiteiro não lucra somente com construções do governo, a Proteco mantém contratos milionários com prefeituras também, Campo Grande uma delas, em torno R$ 30 milhões em obras recentes, segundo informou um construtor que atua no mercado sul-mato-grossense.

Em março desse ano, o juiz da 9ª Vara Cível de Campo Grande, Maurício Petrauski. mandou o empresário devolver R$ 20 milhões em razão da falência do Banco Rural.

A ação de execução do título extrajudicial foi ajuizada no dia 23 de fevereiro pelos advogados do banco mandou a Proteco, ou seu proprietário, João Alberto Krampe Amorim dos Santos, avalista do empréstimo, honrar a dívida em até três dias depois da citação.

 

 

 
  • Sede da empreiteira Proteco também é alvo da operação (Álvaro Rezende/Correio do Estado)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também