Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

contrato milionário

Vereadores recebem documentos para investigar instalação de lâmpadas de LED

Suspeita é de superfaturamento no serviço

17 JUL 17 - 19h:00Izabela Jornada

O jurídico da Prefeitura de Campo Grande entregou hoje (17) à Câmara Municipal CD contendo documentos digitalizados sobre contratos da empresa licitada para a instalação de lâmpadas de LED na Capital, a Solar Distribuidora e Transmissão S.A.

A Câmara vai analisar possíveis irregularidades e superfaturamento na licitação. O pedido foi feito pelo vereador André Salineiro (PSDB). “Recebi denúncias de eleitores e decidi averiguar se houve superfaturamento na contratação desses serviços”, disse.

A suspeita é de que o município esteja pagando até R$ 200 pela troca de cada lâmpada.

No dia 22 de junho, o parlamentar enviou ofício à Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep) solicitando cópia dos contratos firmados com a empresa responsável em efetuar o serviço de troca de lâmpadas na iluminação pública, bem como qualquer outro documento que retratasse os valores pagos pelos serviços realizados no corrente ano.

Nesta quinta-feira (13), o vereador voltou a cobrar a administração, durante sessão solene. “Gostaria de uma resposta da prefeitura, pois não podemos deixar de investigar diante de uma suspeita dessa, por isso estou pedindo, mais uma vez, as informações”, disse.

A denúncia partiu de servidores não identificados, conforme reportagem publicada pelo jornal Correio do Estado. Após o assunto repercutir na Câmara, a prefeitura enviou nota à imprensa dizendo que “o valor incluiria diversos itens para a troca, como peças das luminárias, mão de obra e as lâmpadas propriamente ditas”, porém não detalhou como é feito o controle de quais materiais são utilizados em cada serviço de substituição.

AUTORIZAÇÃO DO TCE

No dia 12 de julho, o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul (TCE), para evitar maiores prejuízos ao erário, decidiu autorizar o município de Campo Grande a utilizar as 16.126 lâmpadas de LED já adquiridas, pagas e armazenadas nas dependências da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep).

A substituição das lâmpadas de vapor de sódio já existentes no sistema de iluminação pública da Capital poderá se iniciar após a adoção dos procedimentos técnicos necessários em parceria com a Empresa Concessionária de Energia do Estado (Energisa).

ENTENDA

No dia 5 de julho foi realizada audiência de conciliação na Justiça Estadual e foi definido que o contrato entre a Prefeitura de Campo Grande e a empresa Solar Distribuidora e Transmissão S.A seria anulado.

O convênio foi feito ano passado, na administração de Alcides Bernal (PP), para a aquisição de R$ 33,8 milhões em lâmpadas de LED, mas o Tribunal de Contas do Estado e o Ministério Público Estadual verificaram irregularidades nessa contratação. “Queremos analisar se os cofres públicos foram lesados e se ainda ainda hoje estão sendo lesados”, disse Salineiro. 

Apesar da compra prevista ser de 30 mil lâmpadas, a empresa entregou 20 mil e instalou apenas 4 mil. O pagamento feito pela prefeitura à Solar chegou a R$ 20,5 milhões.

Na reunião promovida pelo Judiciário, depois de ação civil pública instaurada, ficou decidido que os equipamentos que já estão na cidade não serão devolvidos porque houve o pagamento por eles.

O que cessou no contrato foi o compromisso de entrega e instalação de 10 mil lâmpadas de LED, ao custo de R$ 13,3 milhões, que também não precisarão ser mais pagos.

“Não podemos fechar os olhos para as irregularidades do contrato. O município não precisará pagar mais nenhum centavo para a empresa”, disse o promotor do Ministério Público Estadual, Marcos Alex Vera, que propôs a ação.

O juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, que presidiu a audiência, recomendou que a prefeitura da Capital faça a instalação das unidades de LED.

O procurador-geral do município, Alexandre Ávalo, reforçou na Justiça Estadual que houve o pedido no TCE para que seja autorizada a instalação das 16 mil lâmpadas que estão no estoque da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep).

TRIBUNAL DE CONTAS

O TCE instaurou procedimento primeiro do que o MPE para averiguar irregularidades no contrato, ainda no segundo semestre de 2016. O Pleno do órgão determinou a interrupção da instalação das lâmpadas em 21 de junho por identificar uma série de problemas que apontavam para improbidade administrativa. 

QUESTIONAMENTO

O advogado que defende a Solar informou na audiência que a Prefeitura de Campo Grande deve R$ 450 mil, referente à instalação das 4 mil unidades. 

A administração de Alcides Bernal teria retido esse valor no pagamento do contrato e seria referente à prestação de serviço. “Será cobrado na Justiça R$ 450 mil que são relativos à instalação das 4 mil lâmpadas”, afirmou Marverson Ribeiro Leão, defensor da empresa.

Se houvesse a instalação das 20 mil lâmpadas entregues, haveria o pagamento de R$ 2 milhões, conforme o advogado.

*Colaborou Rodolfo César e Tainá Jara

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Pai que atirou em filho diz que intenção era assustar o rapaz
EM DEPOIMENTO

Pai que atirou em filho diz que intenção era assustar o rapaz

Concentração química de falsificados é 600% maior que o permitido
AGROTÓXICOS FRONTEIRA

Concentração química de falsificados é 600% maior

Corregedoria investiga participação de mais policiais em furto de cocaína
101 QUILOS

Mais policiais podem ter participado de furto de droga

Quatro acusados de matar homem em centro de Candomblé vão a júri
CAMPO GRANDE

Acusados de matar homem em centro de Candomblé vão a júri

Mais Lidas