Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

Na Justiça

Emha tenta retomar 200 casas
de invasores e inadimplentes

Objetivo das ações, ajuizadas desde janeiro, é criar vagas

22 JUL 2017Por DA REDAÇÃO07h:30

De janeiro até agora, a Agência Municipal de Habitação (Emha) encaminhou ao Poder Judiciário 200 ações de reintegração de posse por abandono de moradias populares ou ocupação irregular. Isso em um universo de 2,9 mil casas verificadas e mutuários notificados desde o início do ano. De acordo com a assessoria de imprensa da agência, são cerca de 30 processos abertos todos os meses.

O diretor de administração e finanças da Emha, Cláudio Marques Costa Júnior, explica que o fato de os mutuários não se apresentarem para renegociação de dívida indica que não há interesse deles na manutenção de suas casas, e “há 42 mil pessoas na fila esperando por uma moradia, por isso a gente precisa filtrar os contratos, ver quem quer a casa e repassar isso para quem realmente precisa”, sustenta.

No entanto, o diretor frisa que, mesmo judicializados, os mutuários que respondem a processo de reintegração ainda podem procurar a Emha para tentar regularizar as pendências. 

Dos 24 mil imóveis construídos com recursos próprios da agência desde 1989, quando a Emha foi inaugurada, pelo menos 10 mil apresentam inadimplência, alcançando dívida que chega a R$ 63 milhões. Júnior comenta que muitos desses débitos existem há quase 30 anos, ou seja, desde que a Emha iniciou suas atividades na Capital. 

*Leia reportagem, de Lucia Morel, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também