Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

show no shopping

Delegado conclui fase de depoimentos em assassinato cometido por agente

Adilson dos Santos tinha 22 anos e morreu com um tiro no peito

3 OUT 2017Por RODOLFO CÉSAR E RAFAEL RIBEIRO21h:38

O delegado da 3ª Delegacia de Polícia Civil, Paulo Sá, confirmou hoje à tarde que 18 pessoas foram ouvidas sobre a investigação da morte de Adilson Silva Ferreira dos Santos, que tinha 22 anos. O suspeito do assassinato é o agente penitenciário federal Joseilton de Souza Cardoso, 37 anos, que está preso.

"Encerraram os depoimentos. Foram ouvidas 18 pessoas e estamos esperando os laudos necroscópicos e de delito (no acusado). Prometeram os resultados para cinco dias (até segunda que vem) e aí teremos um parecer mais conclusivo, se essa alegação de briga procede ou se houve espancamento", informou o delegado.

Foi confirmado que Adilson morreu com um tiro no peito disparado por Joseilton depois de desentendimento por conta de lugar na fila de banheiro de show sertanejo, que aconteceu no estacionamento do Shopping Bosque dos Ipês, em 24 de setembro.

Para o advogado José Roberto Rodrigues da Rosa, que defende o agente, houve agressão e o cliente apenas revidou. "Para nós ficou claro que houveram agressões (a seu cliente). O próprio primo da vítima disse que ele e dois amigos o cercaram e começaram a lhe bater. Ele se identificou, mostrou sua funcional (de agente penitenciário) e como mesmo assim continuou a ser agredido atirou", disse.

O defensor disse vai fazer pedido para tentar soltar o servidor federal, que está preso no Garras, em Campo Grande. "Para nós da defesa fica claro o entendimento de que não houve homicídio, mas sim lesão corporal que resultou na morte. Ele não tinha a intenção de matar. Foi algo do momento, que a ocasião gerou. Trata-se de uma pessoa com emprego, residência fixa, sem antecedentes, não tem porque ficar preso", alegou.

Adilson Silva Ferreira dos Santos não tinha registro policial, trabalha em uma estância como serviços gerais e era pai de uma menina, que vive em Santa Catarina.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também