Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

Ameaçados

Defesa pede escolta policial
para acusados de matar Wesner

Advogados afirmam que réus foram ameaçados por familiares da vítima

23 OUT 2017Por LUANA RODRIGUES14h:00

Marcada para o dia 30, próxima segunda-feira, a terceira audiência sobre a morte do adolescente Wesner Moreira da Silva, agredido no dia 3 de fevereiro em um lava a jato no bairro Morumbi, poderá ter reforço policial.

Em manifestação feita à Justiça no dia 20, sexta-feira, a defesa dos denunciados pelo crime, Thiago Giovani Demarco Sena, 20 anos, e Willian Henrique Larrea, 31 anos, acusa a família da vítima de ameaça e, por isso, solicita ao juiz da 1ª Vara do Tribunal do Júri, Carlos Alberto Garcete, que reforce a segurança no Fórum na próxima audiência referente ao caso, com escolta aos acusados.

Conforme o documento, assinado pelo advogado Francisco Guedes Neto, na última audiência do caso, feita no dia 2 de outubro, a família de Wesner fez uma manifestação em frente ao Fórum. Segundo a defesa dos acusados, na saída da audiência, dois manifestantes teriam ameaçado Thiago e Willian, "dando a entender que estavam portando uma arma de fogo debaixo de suas vestes", afirmou o advogado.

De acordo a manifestação, a situação teria acontecido no térreo do Fórum, o que teria "forçado" os acusados a deixarem o local pelo estacionamento e, mesmo assim, sendo insultados e xingados, diz a defesa.

Ainda como explica o advogado, no dia 30, às 15h30, testemunhas de defesa serão interrogadas e réus serão ouvidos novamente, e a família da vítima está convocando mais uma manifestação em frente ao Fórum, o que, segundo a defesa, coloca em risco os acusados.

Familiares de Wesner em protesto na última audiência sobre o caso.

"Os réus acreditam no bom senso da Justiça! O direito à livre manifestação não pode se sobrepor às demais garantias constitucionais do cidadão brasileiro, sobretudo àquelas que lhe garante a segurança, o respeito à dignidade da pessoa humana, e à presunção de inocência", alega a defesa.

Com base nestes argumentos, no documento, os advogados solicitam que o juiz disponibilize as imagens capturadas do piso “térreo" do Fórum e, caso haja a disponibilização das imagens, que oficie a autoridade competente para investigar sobre a autoria e a possível ocorrência de crime de ameaça.

O advogado solicita ainda que o magistrado determine que os familiares da vítima façam suas manifestações em apenas uma das entradas do Fórum, possibilitando, assim, a entrada e a saída dos acusados em segurança. A defesa requisita, ainda, reforço policial (segurança) para realizar a escolta dos acusados, desde a entrada até a saída do Fórum no dia da audiência.

As solicitações ainda passarão por análise da Justiça. Thiago e Wesner foram denunciados pelo Ministério Público Estadual (MPE) por homicídio doloso, quando se tem intenção ou se assume o risco de a conduta resultar em morte.

Já a defesa alega que a denúncia está "divorciada do depoimento da vítima e da declaração da única testemunha ocular do caso".

Leia Também