Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

CAMPO GRANDE

EX-coordenadora Municipal de Políticas LGBT é presa por envolvimento em roubo

Cris Stefanny ajudou na fuga de homem que roubou farmácia na Capital

28 MAI 2017Por NATALIA YAHN08h:30

A ex-presidente da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), Cris Stefanny, foi presa ontem a noite acusada de envolvimento ao roubo de uma farmácia. Ela conduzia o próprio carro, um Fiat Línea, quando foi flagrada por equipe da Força Tática da Polícia Militar (PM) ajudando na fuga de André Luiz Rocha Estevam, 22 anos, que roubou R$ 86 do estabelecimento, localizado na Avenida Júlio de Castilho.

Ela aguardava dentro do carro, estacionado a algumas quadras da farmácia, quando foi abordada pela equipe da PM após “atitude suspeita” de Estevam, de acordo com informações do boletim de ocorrência, registrado na Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) Centro. Os policiais desconfiaram dele após ser visto saindo correndo da farmácia e o acompanharam até ele entrar no veículo de Cris. 

Abordada pela PM, ela informou fazer trabalho social com a família do autor, que pediu para o esperar no local até que fosse pegar “um dinheiro com um amigo” e no retorno dele foram abordados pela equipe policial. No registro consta ainda que Cris afirmou não saber que o carona fosse cometer o roubo. 

Funcionárias da farmácia reconheceram Estevam, por meio de fotos, como autor daquele roubo e em outro dos quatro ocorridos apenas no mês de maio no local. Ele próprio confirmou ter praticado outro crime anterior, “mas não se recorda a data precisa”.

As funcionárias disseram também que Cris esteve na farmácia ontem (27), por volta das 18h, onde comprou cosméticos. O roubo aconteceu às 21h30, quando o local estava próximo de ser fechado. Estevam continua preso na Depac Centro, mas Cris foi liberada após o registro da ocorrência.

Cris já foi presidente da Associação das Travestis e Transexuais de Mato Grosso do Sul (ATMS) e em 2015 foi empossada como coordenadora Municipal de Políticas LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), quebrando tabu de ser a primeira travesti na história político-administrativo de Mato Grosso do Sul a assumir cargo no executivo municipal. Ela deixou o cargo no ano passado. Ela também foi candidata a vereadora nas últimas eleições municipais, mas não se elegeu.

Em outubro do ano passado, Cris fez apelo nas redes sociais para conseguir ajuda para o sepultamento do ex-namorado - com quem teve relacionamento durante dois anos e estava separada há cinco meses - Alexandre de Lima Alves de Souza, 22 anos, morto por um policial militar na rua Marquês de Lavradio, região do Tiradentes. Souza estava armado com revólver 38, e foi flagrado tentando roubar pessoas que estavam em um ponto de ônibus.

*Editada às 16h22 de 29/05/2017 para correção de informação.

Leia Também