Terça, 20 de Fevereiro de 2018

Pastoral da Acolhida

Cerca de 25 mil pessoas são esperadas
para distribuição de cinzas em novenas

Dia começou com orações no Santuário Nossa Senhora do Perpétuo

14 FEV 2018Por Jones Mário09h:25

A quarta-feira (14) começou com orações e reflexões no Santuário Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Bairro Amambaí, em Campo Grande. Segundo a Pastoral da Acolhida, são esperadas cerca de 25 mil pessoas para a distribuição de cinzas durante as novenas.

Os aposentados Marlene de Lima, 66 anos, e Severino Araújo, 75, foram ao local para manter a tradição da família.

"Desde pequenininha eu venho tomar as cinzas. É o início do Quaresma, período de mais oração, penitência", conta Marlene. 

Também aposentada, Odete Fernandes Damasceno, 74, é devota de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e aproveitou a novena para a distribuição das cinzas.

"Sempre guardo a quarta-feira e a última semana da Quaresma. Faço meu jejum. É algo que me faz sentir uma paz enorme", explica.

Já a administradora Marieli Braga, 26, está gestante e espera passar seus costumes religiosos para a filha.
"Não tenho o hábito de fazer jejum ou penitência, mas frequento as novenas e vou aproveitar para tomar as cinzas. Quero que minha filha aprenda comigo e também siga esse caminho que escolhi", ressalta.

Segundo os ensinamentos católicos, as cinzas distribuídas na quarta-feira representam a penitência e demonstram a condição de mortais a qual retorna-se ao pó. No momento da imposição, o padre ou ministro profere as seguintes palavras: “do pó viestes e ao pó retornarás”, e então as cinzas são aplicadas em forma de cruz na testa dos fiéis.

O rito marca oficialmente o início da Quaresma. Durante os 40 dias até a Páscoa, os fiéis dedicam-se à reflexão constante e oração para relembrar o período por qual Jesus passou no deserto até sua crucificação e ressurreição.

 
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado
  • Álvaro Rezende / Correio do Estado

Leia Também