Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

MINHA CASA, MINHA VIDA

Entregues há menos de 1 mês, casas são invadidas em residencial da Capital

Pelo menos 40 casas foram ocupadas e famílias não têm para onde ir

2 SET 15 - 14h:00NILCE LEMOS

Um casal de idosos, que aguarda há 13 anos pela casa própria, receberia as chaves da casa do residencial Celina Jallad nesta quarta-feira (2) e iria se mudar para a nova residência, no bairro Caiobá II, mas teve uma surpresa desagradável. O local foi invadido por usuários de drogas e pelo menos 40 casas estão ocupadas.

Uma testemunha que mora no local disse ao Portal Correio do Estado que a idosa Maria de Fatima Ribamar, 70 anos, que tem problemas de saúde, e seu marido, também idoso, receberam ligação da EMHA (Agência Municipal de Habitação de Campo Grande) para buscar as chaves de casa.

Na própria agência, os dois foram informados que deveriam ir ao local ver se a casa não havia sido invadida. A idosa então foi no local e ao constatar a invasão, voltou à agência e contou o fato aos responsáveis, que apenas disseram que o casal deveria esperar pela Justiça.

A testemunha contou, ainda, que o casal de idosos não tem onde morar e se o caso não for resolvido, eles deverão ir pra rua. O casal morava de aluguel, mas devido à dívidas de atraso, foram desapropriados. A solução era a saída da casa própria, mas com a invasão, eles não têm para onde ir.

De acordo com a moradora do residencial, que pertence ao programa Minha Casa Minha Vida do Governo Federal e foi inaugurado no mês passada, cerca de 40 casas estão invadidas.

A reportagem entrou em contato com a EMHA mas até o fechamento desta matéria, não obteve retorno.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Agehab suspende cadastro em programas habitacionais por 4 meses
MORADIAS POPULARES

Agehab suspende cadastro em programas habitacionais por 4 meses

Número de homicídios cai, mas casos de feminicídio aumentam no 1° quadrimestre
ESTATÍSTICA

Número de homicídios cai, mas casos de feminicídio aumentam no 1° quadrimestre

Ministério Público vai investigar aumento constante do etanol
ECONOMIA

MPE vai investigar aumento constante no preço do etanol

Vídeo mostra momento em que motoqueiro bate contra poste
ACIDENTE

Vídeo mostra momento em que motoqueiro bate em poste

Mais Lidas