Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

No dom Antônio

Caminhada pela Paz tenta alertar
para nível de crimes na Capital

Ato aconteceu em bairro localizado em região violenta da cidade

18 AGO 2017Por RODOLFO CÉSAR18h:20

Execuções extremamente violentas foram registras em Campo Grande em menos de um mês e além dos suspeitos ainda não terem sido presos pela Polícia Civil, a sensação de insegurança passou a ficar mais forte com esses crimes.

Em 27 de julho, Maickon Alves Marques, 22 anos, e Reynan Felipe Vieira de Oliveira, também 22 anos, foram mortos a tiros e um motorista de Uber, de 38 anos, acabou gravemente ferido. O duplo homicídio aconteceu no Jardim Carioca, por volta das 15h.

Na quarta-feira (16), Fernando do Nascimento dos Santos, 22 anos, foi encontrado esquartejado em região próxima ao bairro Dom Antônio Barbosa. A execução teria sido praticada por uma facção criminosa, que chegou a filmar todo o crime e o vídeo foi compartilhado na internet.

Em uma tentativa de demonstrar a necessidade de mais segurança na cidade, uma caminhada foi organizada em uma das regiões mais violentas da Capital, o bairro Dom Antônio Barbosa, onde, inclusive, o corpo de Fernando acabou localizado.

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), e a vice-prefeita, Adriane Lopes (PEN), participaram do ato, organizado pela Secretaria Municipal de Assistência Social.

O trajeto começou na Rua Lúcia dos Santos, passou pela Evelina Figueiredo Selingardi e encerrou em frente à Unidade Básica de Saúde da Família do Parque do Sol.

“Este é um momento de reflexão e um ato de amor ao próximo. Temos que viver na busca da prática da generosidade todos os dias e de sermos pessoas do bem e da paz”, comentou o prefeito.

O professor de capoeira da Rede Solidária, Everson Almeida, opinou que o momento é de buscar paz. “Vamos abraçar os filhos, irmãos, tios, ou seja, toda a família e buscar a paz. Trabalho com crianças, quero que elas cresçam e realizam seus sonhos de ir para uma faculdade e conquistar um espaço digno na sociedade. Para isso, elas precisam viver sem violência e na paz”, reconheceu.

A caminhada já foi realizada em anos anteriores e foi proposta depois que um soldado do Exército morreu com um tiro na Avenida Evelina Selingardi, em 2005. Ele foi vítima de uma disputa de gangues entre as comunidades do Parque do Sol e Dom Antônio Barbosa no mês de agosto.

Cleia Larsen idealizou a caminhada como forma de protesto. “Convidamos a comunidade escolar da escola Padre Tomaz Girardelli, o Cecapro com os idosos, o posto de saúde, os ceinfs do Lageado, do Los Angeles e do Aero Rancho para a nossa primeira Caminhada pela Paz pelo bairro. Saímos com faixas e bandeiras brancas”, relembra.

A Prefeitura de Campo Grande não se posicionou sobre a questão da violência recente na cidade. A segurança pública é administrada pelo governo do Estado, que tem as Polícias Civil e Militar sob sua jurisdição.

*Colaborou Mariane Chianezi.

Leia Também