Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 20 de novembro de 2018

caso com Mpe

Câmeras de segurança mostram que
assassino de Mayara agiu sozinho

Luís ficou com o corpo da vítima quase todo o dia em veículo

8 AGO 2017Por MARIANE CHIANEZI e RENAN NUCCI16h:43

Imagens do circuito-interno de segurança do motel onde a musicista Mayara Amaral, de 27, foi brutalmente morta ajudaram a Polícia Civil a identificar que o assassino confesso Luís Alberto Bastos Barbosa, de 29, agiu sozinho.

Câmeras em supermercado também flagraram momento em que Luís comprou álcool, que seria usado para incendiar corpo da jovem, abandonado em estrada que leva ao Inferninho, em Campo Grande.

Nas imagens registradas na noite do dia 24 de julho, segunda-feira, mostraram o veículo, VW Gol, que pertencia a Mayara, entrando no motel. Aparentemente, quem dirigia o veículo era Mayara. Ela e Luís permaneceram no motel até a manhã do dia 25, terça-feira, data que a vítima teria sido morta a marteladas.

Por volta das 10h da manhã do dia 25, Luís saiu do local e corpo da violinista já estava escondido no porta-malas do carro.

Investigação apurou que o cadáver da musicista ficou no bagageiro do Gol durante quase todo o dia, enquanto Luís planejava a ocultação do corpo da vítima.

Ao meio-dia de 25 de julho, Luís foi filmado dentro de supermercado adquirindo garrafas de álcool. O líquido inflamável foi usado para colocar fogo em vegetação, que acabou atingindo o corpo de Mayara. Nas imagens que podem ser vistas abaixo, a data aparece erroneamente como 26 de julho.

Em outra filmagem, desta vez nas proximidades da residência do técnico em informática e músico, ele aparece sozinho, por volta das 21h, com o carro da jovem. A essa altura, corpo de Mayara já havia sido encontrado pela polícia na região do Inferninho.

INQUÉRITO

O inquérito da Polícia Civil sobre o assassinato de Mayara foi entregue ontem (7) ao Ministério Público Estadual (MPE).

Foram ouvidas 20 testemunhas e o documento foi finalizado com 300 páginas, onde delegada responsável pelo caso, Gabriela Stainle, da Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (Defurv), concluiu que Luís agiu sozinho.

A partir de agora, quem conduz o caso é o promotor de Justiça Clóvis Amauri Smaniotto. Assessoria de imprensa do MPE informou que inquérito está sendo estudado pela promotoria.

No inquérito policia, Luís foi indiciado por latrocínio e ocultação de cadáver. Outras duas pessoas foram presas sob suspeita de envolvimento no crime. Ronaldo da Silva Olmedo, 30 anos, conhecido como Cachorrão, foi indiciado por tráfico de drogas. Anderson Pereira, 31, acabou indiciado por receptação do veículo de Mayara.

CÂMERA NO MOTEL

CÂMERA NO SUPERMERCADO

CÂMERA PERTO DA CASA DO SUSPEITO

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também