Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 21 de novembro de 2018

investigação

Bombeiros buscam corpo de
criança em poço no Aero Rancho

Nova pista pode levar a identificar vítima que seria Kauan dos Santos

27 JUL 2017Por RODOLFO CÉSAR E NATALIA YAHN16h:55

Equipes dos Bombeiros farão buscas em um poço que fica perto da Avenida Ernesto Geisel, perto do Aero Rancho, em Campo Grande, para tentar localizar o corpo de criança que teria sido morta e jogada no Rio Anhanduí. O local foi indicado pelo adolescente que teria participado do crime.

Ao todo, são três viaturas, com oito bombeiros, que estão no local na tarde de hoje para retirarem água do poço e depois entrarem para averiguar se há, de fato, restos mortais.

A Delegacia Especializada na Repressão aos Crimes Contra a Criança e o Adolescente (Depca) investiga o caso e suspeita que o corpo pode ser de Kauan Andrade Soares dos Santos, que está desaparecido desde 25 de junho.

O adolescente, que está recolhido em uma Unidade Educacional de Internação (Unei), permaneceu na área onde acontecem as buscas durante parte desta tarde.

A perícia criminal também acompanha o trabalho dos Bombeiros.

Além do adolescente apreendido, um homem de 38 anos suspeito de estuprar e matar a criança também está preso. Na casa dele a polícia encontrou vários materiais pornográficos envolvendo crianças. Ele nega que tenha cometido assassinato.

Esse suspeito foi preso preventivamente na sexta-feira (21). O delegado Paulo Sérgio Lauretto, da Delegacia Especializada de Proteção a Criança e ao Adolescente (Depca), informou que o homem responde também por exploração de menor de 18 anos e não responde pelo crime de homicídio da criança, ja que até o momento o corpo não foi encontrado. 

Sobre as causas da morte de Kauan, Lauretto explica que não é possível determinar, porque é necessário o corpo para fazer exame necroscópico, mas que aparentemente menino morreu por asfixia ao reagir a estupro.

O adolescente apreendido assumiu que há cerca de um mês levou um menino para a casa do autor, à noite, no Coophavilla II. No local, o homem teria iniciado o estupro, mas enfrentou resistência por parte da vítima que reagiu, se debatendo e chorando alto, até porque estava sangrando. Neste momento, o adolescente ajudou no delito segurando o garoto pelos braços, enquanto o homem tapava a boca dele com a mão.

A polícia acredita que ao tentar calar o menino, o homem acabou matando-o por asfixia.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também