Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 13 de dezembro de 2018

Rio Anhanduí

Após anos de entraves, máquinas começam revitalização da avenida Ernesto Geisel

Orçada em R$ 49 milhões, ações contemplarão 2,4 quilômetros

12 ABR 2018Por LEANDRO ABREU12h:25

Pela primeira vez, após anos de entrave nas licitações e contratos, máquinas começaram a trabalhar nas obras de revitalização, controle de enchentes do Rio Anhanduí e revitalização das pistas da avenida Ernesto Geisel. Orçada em R$ 49 milhões, ações contemplarão 2,4 quilômetros entre as ruas Santa Adélia e do Aquário, em um prazo de 18 meses de execução.

Ainda de forma preliminar, as empreiteiras vencedoras do processo licitatório estão com retroescavadeiras preparando o local para o início das ações. As chamadas ensecadeiras, que são estradas abertas às margens do rio para que as máquinas circulem, estão sendo feitas.

Estão previstas intervenções para recompor as margens do rio, com trechos em gabião e outras de placas de concreto; urbanização; abertura de uma ciclovia; bocas de lobo para captar a enxurrada que desce das ruas laterais e recapeamento das duas pistas da Avenida Ernesto Geisel, em uma extensão de 4,8 quilômetros.

Esta primeira etapa da revitalização do Anhandui será executada por duas empresas. Dois lotes pela Dreno Construção, e um lote pela Gimma Engenharia Ltda. As empresas venceram a licitação homologada em outubro do ano passado.

O lote um (entre as ruas Santa Adélia e Abolição) foi vencido pela Gimma, com a proposta de executar a obra por R$ 13.122.999,21. A empresa Dreno Construções arrematou os lotes 2 (entre as ruas Abolição e Bom Sucesso), com o orçamento de R$ 13,4 milhões e 3 (da Rua Bonsucesso até a Rua Aquário), no valor de R$ 21.975.000,94, totalizando R$ 35.375.000,00 os dois trechos.

O projeto de revitalização do Anhanduí é de 2011 e teve duas licitações e uma ordem de serviço assinadas e canceladas em 2012. Em 2014, também fracassou a segunda tentativa de licitação. A obra faz parte de um conjunto de ações para controle de enchentes nos bairros Marcos Roberto, Jockey Clube, Jardim Paulista e Vila Progresso.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também