Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 20 de novembro de 2018

Sinal amarelo

Aplicação de multas despenca,
e trânsito vira 'território livre'

Em 2015, multas foram para 85,7 mil motoristas; neste ano só 408

5 JUL 2017Por DA REDAÇÃO07h:00

Com radares desativados há mais de sete meses, a quantidade de multas despencou e as vias de Campo Grande se tornaram atrativo para os infratores.

As multas aplicadas por excesso de velocidade até o dia 1º de maio deste ano não representam nem 0,5% do total registrado em 2016, quando Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) contabilizou 85.762 autuações deste tipo. Com isto, a arrecadação da autarquia caiu R$ 7,4 milhões neste ano em comparação com os sete primeiros meses do ano passado. 

Parte da queda na aplicação de multas - foram apenas 408 entre 1º de janeiro e 1º de maio deste ano - deve-se à paralisação do serviço de fiscalização eletrônica do trânsito da Capital.

Os aparelhos estão inoperantes desde o fim do ano passado, em razão de encerramento de contrato com a empresa Perkons, responsável pelo gerenciamento das máquinas.  Desde então, 97 radares - instalados em 53 pontos da cidade -, e 30 faixas de lombada - existente em 16 locais - não estão funcionando.

Sem os aparelhos em funcionamento, houve queda drástica da arrecadação da Agetran por meio de multas. Entre 1º de janeiro e 04 de junho deste ano foram pagos R$ 4.362.228,70 em multas, o que não representa nem 25% do arrecado no mesmo período do ano passado -  R$ 11.784.175,57. O valor total arrecadado em 2016 foi deR$ 18.281.631,11.

A situação acabou sobrecarregando os agentes e policiais de trânsito e comprometendo a fiscalização de infrações. 

Município e estado serão questionados pelo Ministério Público Estadual (MPE) com relação a arrecadação por meio de multas. Ontem, foi publicado no Diário Oficial da instituição a abertura de procedimento preparatório para apurar o transparência dos órgão executivos de trânsito com relação a estes valores. 

*Leia reportagem, de Tainá Jara, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também