Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 20 de novembro de 2018

OBRAS

Além de 2.504 casas populares, Capital terá novo acesso à rodoviária

Prefeito solicitou R$129,4 milhões a ministro das Cidades

13 JUN 2017Por Izabela Jornada09h:18

Com objetivo de terminar obras que estão há anos inacabadas e construir 2.504 casas populares, o prefeito de Campo Grande, Marcos Trad foi ontem à Brasília para solicitar R$ 129,4 milhões ao ministro das Cidades, Bruno Araújo. Um dos projetos que será finalizado até o fim deste ano é o Bálsamo que oferece novo acesso ao macroanel rodoviário. 

Além dos 12,5 quilômetros de pavimentação, que compreende o prolongamento da Avenida Rita Vieira até a Avenida Guaicurus e da Rua Victor Meirelles, que se estende até a Avenida Gury Marques, dando acesso a rodoviária, o projeto também conta com 4,6 quilômetros de ciclovia pelo trecho.

Centro de triagem de recicláveis; quatro quadras poliesportivas; centro comunitário e dois pórticos de entrada também estão previstos no projeto.

Quando for concluído, terá impacto no sistema viário, criando alternativas de tráfego para 500 ônibus de viagens, que não precisarão entrar no centro da cidade para chegar à estação rodoviária, porque abre vias de ligação com o macroanel.

A segunda etapa do Parque Linear do Bálsamo está 62% concluída. 

“São projetos de extrema importância para nossa cidade. Solicitamos conclusão das obras de pavimentação e controle de enchente do Bálsamo e Rio Anhandui e apresentamos projetos para construção de 2.504 casas populares e do corredor de ônibus da região Norte”, declarou Marcos.

O prefeito e os secretários já apresentaram em Brasília o projeto para construção de 1.004 casas no Minha Casa Minha Vida Entidades. Agora, solicitaram a inclusão de novo projeto, para construção de 1.500 residências do Fundo de Arrendamento Residencial.

“O Governo Federal limitou os projetos devido a alguns problemas em contratações passadas, em projetos sem os equipamentos comunitários necessários nas proximidades, como educação, saúde e segurança. Agora o governo pede bons projetos e recebeu de bom grado os nossos, que têm toda a infraestrutura solicitada. Isso é uma condicionante boa para que possa vir a ser aprovado”, explicou o secretário de Habitação, Eneas Carvalho que acompanhou o prefeito na viagem.

Marcos também pediu recurso para término de duas obras e começo de novo projeto em Campo Grande. O pacote inclui R$ 71,4 milhões para retomada das obras do Parque Linear Bálsamo (R$ 26,4 milhões), início da primeira etapa do projeto de drenagem e controle de enchentes do Rio Anhanduí (R$ 47 milhões), entre as ruas Santa Adélia e Aquário, em processo de licitação e R$ 58 milhões inicio das obras do corredor de ônibus da região Norte da Capital. O novo corredor possibilitará recapeamento da ruas Bahia, Cel. Antonino, Cônsul Assaf Trad, Alegrete e 25 de Dezembro.

“O ministro ficou de encaminhar nossos pleitos. As obras do Anhandui e Bálsamo estão mais fáceis porque temos que dar continuidade nos projetos. Mas ele também prometeu se empenhar para viabilizar o corredor”, contou o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), Rudi Fiorese que também acompanhou o prefeito.

PROJETO BÁLSAMO

No trecho não concluído, a Águas Guariroba vai remanejar uma adutora.  Essa etapa foi orçada em R$ 6,3 milhões, já houve investimento de R$ 3,9 milhões e há um saldo de contrato de R$ 2,3 milhões.

Outra etapa do Bálsamo está orçada em R$ 39,8 milhões e já houve o desembolso de R$ 15,6 milhões. Falta a liberação de R$ 24,1 milhões para terminar mais de 60% das obras. O trecho mais avançado é a abertura de uma via entre a Avenida Rita Vieira, passando pela Três Barras e chegando na altura do macroanel rodoviário.

A etapa ainda não licitada prevê a abertura de uma avenida (a partir da Gury Marques), no Jardim Monumento, com término na Avenida Guaicurus. Neste trajeto estão previstas 121 desapropriações.

Em 2014 mais de 12 famílias receberiam casas num conjunto habitacional nas Moreninhas.

ANHANDUI

O Ministério das Cidades chegou a anunciar que cancelaria o projeto, pendente desde 2012, mas o secretário Rudi Fiorese, conseguiu manter o convênio, com compromisso de entregar novo projeto na Caixa Econômica Federal.

O trecho previsto, entre as ruas Santa Adélia e Aquário, se estende por 2,4 quilômetros, somando 4,8 quilômetros nas duas margens do rio, onde a erosão coloca em risco as pistas da Norte/Sul a Avenida Ernesto Geisel. Este novo orçamento, submetido à superintendência regional da Caixa Econômica, inclui obras de drenagem, recomposição dos taludes e sistema gabião de canalização, recapeamento da Avenida Ernesto Geisel, ciclovia e sinalização de trânsito.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também