Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 18 de novembro de 2018

corpo carbonizado

Agrônomo pode ter morrido
em esquema pesado de agiotagem

Polícia encontra mais de R$ 1 mi em cheques de terceiros na residência da vítima

12 JUL 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

O engenheiro agrônomo aposentado Sebastião Mauro Fenerich, 69, que teve o corpo carbonizado, encontrado dentro do próprio carro, no fim da tarde de segunda-feira, em Campo Grande, pode ter morrido em meio a um esquema pesado de agiotagem.

Ontem, a Polícia Civil colheu material de familiares da vítima que vieram de Araçatuba (SP), a fim de fazer a identificação formal do morto por exame de DNA. 

O corpo foi achado no porta-malas de um Hyundai HB20 queimado, na região do Jardim Seminário. Investigadores estiveram na casa da vítima e localizaram cheques em nome de terceiros, estimados em mais de R$ 1 milhão, o que levantou suspeita de envolvimento com agiotagem.

Não está descartada a hipótese de o aposentado ter morrido por conta de cobrança de dívidas elevadas. 

O computador do agrônomo também foi apreendido e deve passar por perícia em busca de informações que possam auxiliar no esclarecimento do crime. 

Segundo o delegado Weber Luciano de Medeiros, da 2ª Delegacia de Polícia, a residência de Mauro, na Rua José Bonifácio, Vila Planalto, foi examinada por peritos. O local estava com objetos e móveis revirados, o que levanta suspeita de que outras pessoas tenham passado por lá.

*Leia reportagem, de Renan Nucci, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também