Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

relação difícil

Aditivo por mais 30 dias garante
pagamento à Santa Casa

Falta ainda contratualização com prefeitura, mas há impasse no valor

11 MAI 17 - 04h:00NATALIA YAHN

Novo aditivo de contrato, com validade de 30 dias, será assinado entre a Santa Casa e a Prefeitura de Campo Grande. Sem a contratualização, o hospital não recebe os R$ 20 milhões mensais pagos pelos serviços prestados ao Sistema Único de Saúde (SUS). O contrato original venceu em dezembro do ano passado e o primeiro aditivo venceu em março.

A prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau), parece ter recuado e dá tom mais ameno ao impasse, que se arrasta desde janeiro.

O hospital pede aumento de repasse em R$ 3,5 milhões ou que a redução em 30% da quantidade de atendimentos – por meio da restrição de pacientes não encaminhados pelos postos de saúde – seja incluída no contrato, que não foi assinado até o momento por essa razão.

O recuo acontece apenas cinco dias após o titular da Sesau, Marcelo Vilela, afirmar que a “bomba vai estourar”. Agora, a própria secretaria admite que a negociação com a Santa Casa ainda não terminou, ao contrário do que havia sido informado no dia 5 de abril, quando aparentemente ambas as partes teriam chegado a um acordo, com o congelamento das verbas em R$ 20 milhões.

Para tal, até o Ministério da Saúde foi acionado. “Está vindo um representante do Ministério da Saúde, semana que vem, para intermediar essa discussão. A Santa Casa é um ente privado e eles interpretam como iniciativa privada. E, quando você contratualiza com o SUS, existe um modelo de contratualização com o qual a Santa Casa realmente tem dificuldade de interpretação disso”, explicou Vilela. 

MÉDICOS

Sobre a negociação do reajuste salarial dos 961 médicos que atuam nas unidades de saúde, o prefeito Marcos Trad (PSD) revelou ontem, durante agenda pública, que o Sindicato dos Médicos (SinMed) exigiu a exoneração do secretário municipal de Saúde, Marcelo Vilela, e da adjunta, Andressa De Lucca Bento – respectivamente, médico e enfermeira. 

O próprio secretário comentou o assunto. Ele acredita que o pedido do Sinmed tenha sido motivado pela atuação em reduzir a folha de pagamento e os gastos excessivos da pasta. A folha de pagamento da pasta reduziu de R$ 41 milhões para R$ 37 milhões. 

Além disso, a prefeitura quer aumentar o salário-base dos médicos de R$ 2.516,00 para R$ 6 mil, porém, com aumento da carga horária. O sindicato quer salário de R$ 4.137,00 sem a mudança nas horas.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Juvêncio deixa legado de obras e serviços na Capital
EX-PREFEITO

Juvêncio deixa legado de obras e serviços na Capital

Governador decreta luto oficial de três dias por morte de Juvêncio
EX-PREFEITO DA CAPITAL

Governador decreta luto oficial de três dias por morte de Juvêncio

Aeroporto da Capital já transportou 3,5 mil toneladas em 2019
HUB DE CARGAS

Aeroporto da Capital já transportou 3,5 mil toneladas em 2019

Adolescente é executado com 10 tiros em possível acerto de contas
RUA DA DIVISÃO

Adolescente é executado com 10 tiros em possível acerto de contas

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião