LADÁRIO

Câmara de vereadores conclui cassação de 7 vereadores

Processo começou em novembro de 2018
19/04/2019 17:22 - ALINE OLIVEIRA


 

A Camara de Vereadores de Ladário encerrou na quinta-feira 918), o julgamento de sete vereradores acusados de envolvimento no caso 'Mensalinho', desarticulado pelo Ministério Público e Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), em novembro de 2018. 

Os dois últimos parlamentares julgados foram André Caffaro e Vagner Gonçalves, ambos do PPS, que haviam conseguido protelar a votação dos relatórios da Comissão Processante.

Os outros acusados de envolvimento em esquema de corrupção, que perderam os mandatos são:  Agnaldo dos Santos Silva Junior (PTB); Lilia Maria Villalva de Moraes (MDB), Augusto de Campos (MDB), o "Gugu", Osvalmir Nunes da Silva (PSDB), o "Baguá", e Paulo Rogério Feliciano Barbosa (PMN). 

Dos onze vereadores eleitos em 2016 na cidade ladarense, oito acabaram cassados. Em outro processo, Eurípedes Zaurizio de Jesus (PTB), teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral por compra de votos, no mês passado. Já Carlos Anibal Ruso Pedroso (PSDB), eleito prefeito, também perdeu o mandato. 

MENSALINHO

A Câmara de Ladário instalou três Comissões Processantes para apurar as acusações contra o ex-prefeito Carlos Ruso (PSDB), e os sete ex-vereadores. Foram três meses de trabalho. Eles foram presos junto com o ex-secretário de Educação, Helder Botelho, no dia 26 de novembro de 2018.

A investigação do Gaeco e do Ministério Público Estadual apontou que para ter apoio político, Ruso pagava valores mensais ao grupo que variavam entre R$ 1,5 mil e R$ 3,5 mil. O esquema acontecia há mais de um ano. 

Indicação de cargos na Secretaria de Educação, pelos vereadores acusados, também fazia parte do "acordo" e quem cuidava da nomeação era o então secretário de Educação, Helder Botelho. Os parlamentares ainda teriam barrado uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) que averiguava denúncias de irregularidades na Saúde.

*Com informações Diário Corumbaense

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".