Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 12 de novembro de 2018

DETRAN-MS

Azambuja defende que escolha de
ex-prefeito também é técnica

Autarquia está no meio de investigação contra corrupção

4 SET 2017Por IZABELA JORNADA E LUCIA MOREL15h:21

O governador do Estado Reinaldo Azambuja (PSDB) disse, durante agenda no Tribunal de Justiça (TJ), na manhã de hoje, que a escolha do novo diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito do Mato Grosso do Sul (Detran-MS), Roberto Hashioka não foi só de caráter político.

“Não deixa de ser político, porque ele já foi prefeito de Nova Andradina, mas é técnico também por ele (Roberto) ter experiência em gestão”, disse Azambuja.

O governador adiantou que dará toda autonomia ao novo diretor. “Ele ainda está analisando o quadro, temos diretores de carreira, tinha pessoas que eram de fora do órgão, na gestão anterior, e ele vai ter autonomia de escolher”, declarou o governador. 

O ex-diretor do Detran, Gerson Claro, chegou a ser preso na terça-feira (29) durante a Operação Antivírus e pediu exoneração do cargo depois de ser solto. Hashioka assumiu oficialmente na sexta-feira (1).

Sobre a escolha do novo gestor, Azambuja disse que não demorou e que a transição durou o tempo necessário. “As investigações vão prosseguir, com o devido espaço para defesa dos denunciados. Tivemos que avaliar e escolher quem ficaria a frente da instituição”, explicou Reinaldo.

ENTENDA

Roberto Hashioka (PSDB), ex-prefeito de Nova Andradina, é o novo diretor-presidente do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso do Sul (Detran), órgão com orçamento anual de pelo menos R$ 272,4 milhões e que arrecada ao menos R$ 500 milhões ao ano. 

A nomeação dele ocorreu um dia depois do ex-diretor, Gerson Claro Dino, ter usado espaço da governadoria para informar seu pedido de exoneração depois de ter sido pres pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Gerson Claro e mais quatro servidores que exerciam cargos de chefia na autarquia foram presos na terça-feira, (29), quando o Gaeco, do Ministério Público Estadual (MPE), cumpriu mandados na Operação Antivírus. Habeas corpus os beneficiaram e um dia depois.

A operação teve como foco apurar a existência de organização criminosa voltada à prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, fraude em licitação, peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. A investigação teve início em 2015 e tem como objeto contratos celebrados entre empresas da área de tecnologia da informação/informática e o Poder Público Estadual.

O governador, Reinaldo Azambuja, disse que Hashioka é bom gestor e que ele confia em sua administração.

Hashioka comandou Nova Andradina por três mandatos, entre 2001 e 2004; de 2005 a 2008 e entre 2013 e 2016.

Atualmente, exercia cargo comissionado como secretário especial, no gabinete do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), de onde foi removido para então assumir o Departamento de Trânsito. A remuneração mensal do cargo é de R$ 24.376,89.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também