Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Conflito

Área de nova tensão entre índios e produtores era "bomba relógio", diz Cimi

Propriedades localizadas em Antônio João foram invadidas no fim de semana

27 AGO 15 - 09h:42ALINY MARY DIAS

A tensão entre indígenas e produtores rurais voltou a ser registrada em Mato Groso do Sul. Desde o último fim de semana, grupo de índios guarani kaiowá invadiu cinco fazendas de Antônio João, distante 402 quilômetros de Campo Grande e desde então a situação é complicada na região. Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a situação já era prevista e o local era considerado uma “bomba relógio”.

Há 10 anos, em 2005, o Governo Federal homologou parte das propriedades rurais da cidade como terra indígena. A partir daí, houve série de cobranças por parte dos índios para que a área fosse demarcada, no entanto, nada foi feito pelo Governo Federal.

No último fim de semana, indígenas invadiram fazendas e até fizeram famílias de produtores reféns. O Departamento de Operações de Fronteira (DOF) foi acionado e está na região desde então.

Ontem (26), o clima ficou ainda mais tenso e produtores rurais bloquearam estradas que dão acesso à cidade em forma de protesto. As rodovias foram liberadas durante a noite.

Nesta quinta-feira (27), a situação é menos tensa na região, mas a invasão continua e policiais do DOF fazem a segurança para evitar confrontos entre indígenas e fazendeiros.

BOMBA RELÓGIO

Para o coordenador do Cimi em Mato Grosso do Sul, Flávio Machado, a tensão na região de Antônio João não é nova, em razão da homologação das terras há 10 anos. “Mais de 1 mil indígenas vivem em uma área de menos de 100 hectares sem condição de subsistência. A União demorou para fazer as demarcações e indenizar os produtores e aquilo se transformou em uma bomba relógio que chegou no limite”, explica o coordenador.

Além das fazendas, há um distrito da cidade, chamado de Campestre, com aproximadamente 20 casas e que é ocupado por índios e não índios. Há sete anos, segundo o Cimi, há um acordo entre os grupos para que os não índios deixassem as residências, tendo em vista o local também se tratar de terra indígena.

De acordo com Flavio, as famílias, formadas em maioria por pequenos produtores, não cumpriram o acordo e nos últimos dias as casas também foram invadidas pelos índios. “Diante da tensão algumas famílias saíram e outras foram retiradas”, disse o coordenador.

SOLUÇÃO

Para a Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul (Famasul), a única solução para o problema está em atitudes do Governo Federal para indenizar fazendeiros que adquiriram as terras de forma legal. Uma última reunião sobre o assunto estava marcada para julho passado. em Brasília, mas acabou sendo cancelada.

A reportagem tentou contato com o prefeito da cidade, Selso Lozano (PT), para mais informações sobre quais medidas serão tomadas para diminuir a tensão na região, mas nenhuma ligação foi atendida.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Domingo amanhece quente <br> com possibilidade de chuva
35º

Domingo amanhece quente
com possibilidade de chuva

Médicos expõe livros na Academia de Medicina de MS
LITERATURA

Médicos expõe livros na Academia de Medicina de MS

Mutirão recolherá materiais inservíveis em bairro da Capital
AÇÃO CIDADE LIMPA

Mutirão recolherá materiais inservíveis em bairro da Capital

Após morte de peixes, MP abre inquérito para apurar regularidade de esgoto
RIO ANHANDUÍ

Após morte de peixes, MP abre inquérito para apurar regularidade de esgoto

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião