PRF

Carreta roubada que transportava cigarros apreendida

Motorista tentou fugir mas acabou detido e encaminhado a delegacia
08/09/2015 16:23 - NILCE LEMOS


 

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) de Naviraí apreendeu nesta terça-feira (07), na cidade de Juti, uma carreta que havia sido roubada e que estava sendo usada para o transporte cigarros do Paraguai.

Segundo o site Tá Na Mídia Naviraí, policiais da PRF viram o veículo SCANIA/R 440 A6X4 com duas carretas, estacionado em um posto de combustível as margens da BR-163. Os policiais verificaram o veículo, porém o condutor não estava no local.

De acordo com a reportagem, em checagens junto ao sistema da polícia, foi constatado que as placas dos semirreboques se encontravam trocadas, o que gerou a suspeição dos policiais quanto a provável adulteração veículo. Ao olharem dentro da cabine foi visualizado um rádio transceptor, que geralmente é utilizado em veículos para o transporte de cigarros paraguaios.

Ainda segundo o site, os policiais aguardaram o condutor mas ele saiu com o veículo, não parou para os policiais e seguiu a avenida Sérgio Maciel, perímetro urbano da cidade de Juti. Os policiais iniciaram a perseguição e alcançou o veículo em uma estrada rural, onde o condutor o abandonou e fugiu. Na fuga, o homem se enroscou em algumas cercas e foi detido pelo policiais.

Conforme o site, o veículo foi vistoriado e foi constatado que era furtado. O condutor foi preso e encaminhado para a Delegacia de Polícia Federal de Naviraí. Ele pode ser autuado nos crimes de receptação, resistência a prisão e utilização de rádio transceptor sem autorização da ANATEL.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".