PENITENCIÁRIA DE DOURADOS

Em pente-fino, agentes apreendem armas artesanais em presídio

Presos ameaçaram agentes e pente-fino foi realizado com apoio do Choque
22/05/2019 17:44 - GLAUCEA VACCARI


 

Policiais do Batalhão de Choque da Polícia Militar prestaram apoio e agentes penitenciários fizeram pente-fino na Penitenciária Estadual de Dourados (PED) e apreenderam celulares, várias artesanais e encontraram grades de celas serradas. O suposto túnel que suspeitava-se que havia no presídio para fuga em massa também não foi encontrado.

Os 40 policiais do Choque foram enviados para controlar o motim, iniciado ontem pelos detentos. De acordo com o site Dourados Agora, internos do setor B-4, ala ocupada por presos considerados de alta periculosidade e ligados à facções criminosas, impediram que agentes penitenciários entrassem no setor para checar a existência do possível túnel e ameaçaram os servidores com facas e pedras.

Cerca de 120 presos ficaram amotinados durante toda a tarde e deixaram de realizar as atividades de rotina dentro da penitenciária, sendo necessário o envio do Choque pela Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), para trabalhos de contenção e desaglomeração dos detentos. 

Após vistoria nas celas da ala, foram encontradas três delas com as grades serradas, celulares e 86 facas artesanais. 

Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) informou que a situação está controlada no presídio e que a mobilização dos detentos para impedir os agentes de vistoriarem as celas não caracteriza motim.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".