Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DOURADOS

Após mortes de indígenas, Governo cria conselho de segurança

Conselhos cuidarão das aldeias Bororó e Jaguapiru até 2022

17 JUL 19 - 14h:41EDUARDO PENEDO

Após morte de cinco índios em uma semana no mês passado em Dourados, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) instituiu os conselhos comunitários de segurança nas aldeias Bororó e Jaguapiru para o triênio 2019 a 2022. A criação do conselho foi publicada na edição desta quarta-feira (17) no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso do Sul (DOE). 

A resolução institui que os conselhos terão como membros natos representantes da Polícia Civil, Militar e do Corpo de Bombeiros. A diretoria dos conselhos será composta por quatro pessoas da comunidade. 

O  Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso do Sul fez um levantamento que apontou que as taxas de mortes de indígenas na região de Dourados chegam a 101,18 a cada 100 mil habitantes, o que supera a média nacional de 29,2 a cada 100 mil habitantes.

ASSASSINATOS

No dia 7 de junho, Rosilene Rosa Pedro, 34, e Osvaldo Ferreira, 38, foram mortos na aldeia Bororo. A mulher foi estuprada antes de ser assassinada e ambos foram mortos com golpes de facão. Filho do casal, de 9 anos, contou sobre o crime para a professora, que acionou a polícia. Dois homens foram presos suspeitos do homicídio.

Cinco dias depois, no dia 12 de junho, corpo de Júnior Abraão da Silva, 22 anos, foi encontrado dentro de um poço desativado, na área da Reserva Indígena. Ele foi agredido, apedrejado e jogado vivo no local por um rapaz de 20 anos e um adolescente, de 16, por ciúmes. O suspeito mais velho descobriu que a vítima mantinha um caso com sua namorada e planejou o crime.

Na manhã deste sábado (15), tio e sobrinho foram encontrados mortos a golpes de facão nas proximidades da Missão Caiuás. Josias da Silva Machado, 48 anos, e Pedro Avila Morales Filho,19, foram encontrados por populares com várias marcas de facão e a polícia suspeita que o crime tenha sido cometido nessa sexta-feira (14) por um grupo de três ou quatro pessoas. Caso segue em investigação.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Homem é preso por compartilhar cenas de abuso sexual infantil

HABITAÇÃO

Governo diz que 177 mil moradias já foram contratadas este ano no País

Incêndio assusta no Parque dos Poderes
CAMPO GRANDE

Incêndio assusta no Parque dos Poderes

Grupo protesta contra queimadas na Amazônia na Afonso Pena
NA AFONSO PENA

Grupo protesta contra queimadas na Amazônia

Mais Lidas