Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

MEDO

Após ataques, polícia reforça
a segurança no Jardim Carioca

Autor dos crimes ainda não foi identificado

21 AGO 19 - 05h:00ALIRIA ARÍSTIDES

Depois de três casos diferentes de ataques a mulheres em menos de 20 dias, a região do Bairro Jardim Carioca, em Campo Grande, recebeu reforço policial. A recente onda de violência na localidade tem causado medo nos moradores. Mas, segundo quem mora no bairro, rondas policiais são novidade.

Na segunda-feira, uma mulher de 75 anos foi esfaqueada por um homem durante tentativa de assalto. Poucos minutos antes o mesmo homem, segundo a descrição física feita pelas vítimas, invadiu a casa de uma agricultora de 54 anos para roubar, fugindo do local com apenas uma carteira de cigarros e R$ 30. No dia 29 do mês passado, uma mulher de 30 anos foi arrastada para um matagal e atacada com 11 facadas. Todos os casos aconteceram na região de uma ponte que dá acesso ao Núcleo Industrial próximo ao bairro. 

INSEGURA

A população local relata que a falta de segurança na região não é problema recente, mas que, com os últimos casos de violência, muitos temem até sair de casa. João Francelino dos Santos, 78, é morador do bairro há 35 anos e afirma que a região já foi tranquila, mas que está cada vez mais violenta. “Quando cheguei aqui, era tão gostoso de morar. Agora dá medo até sair de casa. Está perigoso, o pessoal aqui está sendo atacado”, relatou. Revoltada com a situação, a associação de moradores organizou um protesto cobrando medidas urgentes. 

Segundo a assessoria da Polícia Militar, o policiamento na região foi reforçado e equipes de inteligência estão realizando monitoramento do bairro para adotar medidas que reduzam os índices de criminalidade. Hugo Farias, 31, mora a menos de 100 metros da ponte em que os crimes aconteceram. Ele relata que pouco foi feito após o primeiro caso e que “normalmente não é assim, não vejo polícia. De ontem para cá, vi três viaturas passando aqui na rua. Vamos ver até quando dura”, afirmou.

“Vão esperar uma quarta, quinta vítima para fazerem algo efetivo?”. O questionamento foi feito pelo filho da vítima esfaqueada na manhã de ontem, que prefere não ser identificado. Para o professor de 55 anos, a responsabilidade dos acontecimentos é em partes do poder público. “A polícia não consegue atuar com efetividade na região por ter pouco efetivo, não recebe melhorias”, afirmou.

Após ser liberada do hospital, a mulher retornou para casa e segue em observação. A família, que vive no bairro há cerca de vinte anos, tenta se reestruturar após o ocorrido. Quando indagado sobre as condições da mãe, o homem relata que a situação ainda é delicada. 

ATUAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR 

No comando da 5ª Companhia da PM, que atende o Jardim Carioca, o tenente-coronel Dominoni disse que as ações da PM na região são efetivas, mas que há “resistência de parte da população em informar oficialmente os ocorridos”.

Dominoni ressaltou que a Força Tática continuará na região até prender o culpado pelos ataques e que vem atuando em parceria com a Polícia Civil para solucionar os casos denunciados.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Professores começam a negociar reajuste de 12,84% do piso nacional
EDUCAÇÃO

Professores começam a negociar reajuste de 12,84% do piso nacional

Detentos vão fazer limpeza e manutenção de espaços públicos da Capital
ACORDO

Detentos vão fazer limpeza e manutenção de espaços públicos da Capital

Critério é diferente para alvará de hospitais, dizem bombeiros
PERIGO

Critério é diferente para alvará de hospitais, dizem bombeiros

Fechado desde 2016, aterro interditado vai virar parque no Noroeste
CAMPO GRANDE

Fechado desde 2016, aterro interditado vai virar parque no Noroeste

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião