SAÚDE PÚBLICA

Taquarussu é a única cidade de MS sem casos de dengue em 2020, aponta Saúde

Dez municípios têm baixa incidência da doença
14/02/2020 15:32 - Adriel Mattos


O município de Taquarussu, no sudeste de Mato Grosso do Sul, é o único que não notificou casos de dengue em 2020. Os dados constam no último boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde (SES), divulgado nesta semana.

Desde o início do ano, a prefeitura da cidade tem feito ações de combate do mosquito Aedes aegypti, que transmite também a febre chikungunya e o zika vírus. Mutirões foram realizados para eliminar focos do inseto.

Além disso, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente vem conscientizando os moradores para fazer o descarte correto de pneus veiculares. Equipes da secretaria têm visitado oficinas para orientar os trabalhadores.

Os pneus inservíveis podem ser encaminhados até o ecoponto municipal ou deixados para serem recolhidos pela Vigilância Sanitária ou trator da coleta seletiva.

BOLETIM

Conforme o último boletim da SES, o Estado já notificou 12.182 casos da doença, o que representa uma incidência de 470,8 notificações para cada 100 mil habitantes. 11 pessoas já morreram em decorrência da dengue em 2020.

Dos 79 municípios, 40 estão com alta incidência. Pedro Gomes é a cidade com mais notificações, no total são 252 casos e incidência de 3186,6. Em seguida, aparecem Alcinópolis - com 146 casos e incidência de 2990 - e Caracol - com 138 notificações e índice de 2421,5.

Outras 20 cidades estão com média incidência, incluindo Campo Grande, que notificou 1.671 casos e índice de 200,8. Já dez municípios registraram baixa incidência de casos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), uma doença é considerada epidêmica quando registra 300 casos para cada 100 mil habitantes.

 
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".