Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

UFMS

Alunos entram na Justiça
para reverter despejo do DCE

Administração da universidade pretende usar espaço para atender indígenas e quilombolas

14 MAR 19 - 15h:28TAINÁ JARA e IZABELA JORNADA

O impasse quanto ao prédio do Diretório Central do Estudantes (DCE) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) levou os alunos  a ocuparem o espaço no final da tarde desta quarta-feira e entrar na Justiça para se manter no prédio. A sala, localizada no corredor central da instituição, abriga a entidade de representação dos estudantes há quase 30 anos. 

Conforme a Coordenadora de Mulheres da atual gestão do DCE, a acadêmica de Arquitetura e Urbanismo, Anita de Matos, 22 anos, a universidade justifica que vai utilizar o espaço para atender alunos cotistas. “Os próprios indígenas e quilombolas não estão a favor da mudança, já que eles também fazem parte do DCE”, explicou.  Os alunos ingressaram com mandato de segurança para impedir a mudança.

Na manhã desta quinta-feira, os alunos realizaram no espaço ocupado debate em alusão a um ano do assassinato da vereadora carioca, Marielle Franco. O evento reuniu dezenas de alunos e representantes de movimentos sociais. 

Reportagem publicada pelo Correio do Estado, no dia 7 de março, mostrou que a ação de despejo foi antecedida de aviso prévio por parte da Pró-reitoria de Administração e Infraestrutura (Proadi) no dia 26 de março, dando prazo de 48 horas para os alunos se retirarem do local. 

Imediatamente foi iniciado processo de diálogo com a reitoria para reverter a mudança. Mesmo assim, durante o feriado prolongado de Carnaval, os pertences da entidade e também de membros da direção foram retirados do prédios e a fechadura da porta trocada.

Os alunos alegam que a ação é ilegal, já que contraria resolução de 2015, assinada pela então reitora da Universidade Célia Maria Silva Correa Oliveira. Conforme a medida, a “cessão do espaço pode ser revogada mediante decisão do Conselho Diretor, tendo o DCE um ano, após ser notificado, para desocupá-lo”. Além disto, o novo espaço oferecido pela administração da UFMS esta aquém das necessidades dos alunos. “A sala é muito pequena e não tem logística, além de ser muito escondida”, explica Anita. 

Mesmo diante dos impasses envolvendo o prédio, na última terça-feira, a universidade divulgou nota anunciando a criação do Espaço de Apoio às Ações Afirmativa voltado ao acolhimento e integração dos estudantes. Conforme o texto, o DCE, que funcionava no local, foi remanejado para atender aos órgãos de controle. “A transferência da sede foi acordada com a diretoria da entidade e tem como principal objetivo ampliar o atendimento estudantil dentro da UFMS”. 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em casamento coletivo, casal que se conheceu pela internet finalmente troca alianças
MATRIMÔNIO

Em casamento coletivo, casal que se conheceu pela internet finalmente troca alianças

Aos 80 anos, Dona Nilza se veste de Mamãe Noel e entrega presentes na rua
NATAL

Aos 80 anos, Dona Nilza se veste de Mamãe Noel e entrega presentes na rua

Lei de proteção a juízes é usada contra Jamil Name
MILÍCIA ARMADA

Lei de proteção a juízes
é usada contra Jamil Name

Cidade do Natal completa dez anos com planos de expansão
FIM DE ANO

Cidade do Natal completa dez anos com planos de expansão

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião