Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

AGROTÓXICOS FRONTEIRA

Concentração química de falsificados é 600% maior que o permitido

Pesquisa mapeou operação de quadrilhas organizadas na fronteira

24 JUN 19 - 18h:03ALINE OLIVEIRA

O estudo nacional que mapeou a rota das quadrilhas envolvidas no contrabando de agrotóxicos falsificados e que utilizam as áreas de fronteira do território nacional, foi apresentado nesta segunda-feira (24), em Campo Grande. 

Um dos detalhes que mais chamam a atenção e preocupam os setores envolvidos é a concentração química encontrada nos produtos sem certificado de origem, 600% acima do permitido. Além disso, o maior ponto de entrada dos ilícitos no país é a fronteira de Mato Grosso do Sul. 

O levantamento realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteira (Idesf), aponta que o mercado ilegal de agroquímicos responde por cerca de 24% do total utilizado nas lavouras brasileiras. Isso porque em muitos casos, o produtor rural desconhece que está adquirindo um produto falsificado e o valor 30% menor do que o produto nacional é um forte atrativo de aquisição.

Na avaliação do presidente da instituição, Luciano Stremel Barros, o estudo tem objetivo de mostrar a dimensão real do mercado de agroquímicos do país, visto que é um problema que impacta toda sociedade.

"Realizamos o lançamento nacional aqui em Campo Grande, mas, o conteúdo será encaminhado para os ministérios diretamente envolvidos, como o Ministério da Agricultura (Mapa). Nosso país soma 16 mil km de fronteira e abrange 11 estados brasileiros, por isso é necessário ações conjuntas com várias frentes de atuação", explica. 

Barros acrescenta que considerando o destaque do país na produção e exportação de grãos, é fundamental identificar e coibir a proliferação desses produtos que, na maioria das vezes, são produzidos na China e contrabandeados por navios até os portos da América Latina.

"Os agroquímicos chegam até aqui, por intermédio dos países vizinhos, com legislação mais flexível sobre o grau de toxidade do produto. O mais preocupante é que os agrotóxicos não têm identificação nenhuma, por isso não se sabe até que ponto afetam seres humanos e meio ambiente", acrescenta o presidente do Idesf.   

APOIO REGIONAL

O secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, reforça que a entrada ilegal de agrotóxicos pela fronteira é mais uma situação que requer cuidado e ações conjuntas, pois, ainda não foi mensurado o impacto de contaminação nos alimentos ou no meio ambiente. 

"É importante modernizar a legislação de defensivos agrícolas no país, a fim de atualizar quais produtos podem ser liberados e adequados às condições nacionais. No segundo momento, conscientizar o produtor rural sobre quais cuidados deve adotar quando comprar os produtos, já que em alguns casos, os contrabandos são absorvidos pelas empresas formalizadas o que dificulta ainda mais, a identificação de falsificação", pontua. 

O superintendente regional da Polícia Federal (PF), Cléo Matusiak Mazzotti, argumenta que foram efetuadas várias prisões em flagrante, contudo como é considerado crime de descaminho, não é mensurado o tipo de produto. 

"Na semana passada deflagramos um operação que desarticulou uma quadrilha importante na distribuição dos ilícitos para o estado de Mato Grosso. O objetivo é dar continuidade ao trabalho de investigação e apreensão, porém, ainda temos dois desafios consideráveis, transportar os agrotóxicos para destruição e identificar e coibir as rotas de transporte utilizadas pelos contrabandistas", reforça. 

Na avaliação do Delegado da Receita Federal em Campo Grande, Edson Ishikawa, o descaminho dos agrotóxicos falsificados não refletem apenas na área tributária, mas, impactam a saúde da população e mesmo das pessoas que manuseiam essas cargas.

"Uma informação que precisa ser divulgada é a periculosidade desses produtos que podem contaminhar, por exemplo, uma carga de cigarros, grãos e alimentos. Também desenvolvemos um projeto piloto para transportar e destruir os agrotóxicos dentro das regras ecológicas e com empresas devidamente habilitadas para realização a ação", conclui. 

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Governo fixa jornada de 6 horas para servidores públicos
EDUCAÇÃO

Governo fixa jornada de 6 horas para servidores públicos

PMR apreende uma tonelada de drogas em carreta de milho
TRÁFICO DE DROGAS

PMR apreende uma tonelada de drogas em carreta de milho

UBF da Vila Iracy Coelho é considerada modelo no País em atendimento estendido
SAÚDE

UBF da Vila Iracy Coelho é considerada modelo no País em atendimento estendido

Funtrab oferece 613 vagas de emprego no MS
OPORTUNIDADE

Funtrab oferece 613 vagas de emprego no MS

Mais Lidas