Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

PROJETO EM ANÁLISE

Aeroportos de Mato Grosso do Sul <br>podem ser privatizados em 2021

Terminais da Capital, Corumbá e Ponta Porã serão em leiloados em bloco que inclui Congonhas
09/12/2018 18:00 - GLAUCEA VACCARI


 

Os aeroportos de Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã podem ser privatizados em 2021 ou 2022, segundo planos do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). Conforme reportagem do Valor Econônico, os três aeroportos do Estado devem formar o bloco São Paulo-Mato Grosso do Sul, que inclui também o Aeroporto de Congonhas.

Segundo o Valor Econômico, a equipe de Bolsonaro já têm em mãos o roteiro para levar adiante as concessões de aeroportos. A reportagem ouviu fontes do mercado que tiveram acesso ao projeto, que prevê investimentos de 2,5 bilhões de dólares.

O plano prevê duas rodadas para transferir 44 terminais à iniciativa privada. Os aeroportos devem ser divididos em seis blocos regionais e a primeira rodada de privatização, com três blocos, deve ocorrer em 2020. A segunda, com outros três blocos, onde estão inclusos os terminais do Estado, ocorre em 2021 ou 2022.

Os blocos da segunda rodada são considerados os mais cobiçados pelo mercado. Além do bloco São Paulo - Mato Groso do Sul, composto de quatro aeroportos, também estão o Rio-Minas, com os terminais Santos Dumont, Pampulha, Uberlândia, Uberaba e Montes Claros e o bloco Cluster Norte II, com os terminais de Belém, Altamira, Marabá, Carajás, Santarém e Macapá. 

O plano foi formulado pelo Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e pela Secretaria de Aviação Civil (SAC) e ainda está em discussão na equipe de transição. Por ser uma mapa inicial das próximas concessões, o projeto ainda pode sofrer mudanças.

 

 

Felpuda


Alguns políticos estão se aproveitando deste momento preocupante de pandemia para sugerir projetos oportunistas que, em alguns casos, são de resultados extremamente duvidosos. O mais interessante – para não dizer outra coisa – é que se for analisado o desempenho normal dessas figuras, verifica-se que essa preocupação toda nunca esteve no topo das suas prioridades. Ano eleitoral é assim mesmo. Lamentável!