Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CONTROLE BIOLÓGICO

Capital terá Aedes aegypti sem vírus da dengue no meio ambiente

Medida deve reduzir gradativamente população de mosquitos infectados
30/03/2019 15:18 - TAINÁ JARA


 

Campo Grande vai ser uma das primeiras cidades de grande porte do País com Aedes aegypti bloqueado pelo vírus da dengue circulando no ar. No próximo dia 15 de abril,  o projeto será lançado na Capital por pesquisadores da Fiocruz (Instituto Oswaldo Cruz). O anúncio foi feito nesta sexta-feira pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, enquanto participava de evento na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS).

Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, e uma terceira cidade, ainda em fase de seleção, também devem receber o mosquito infectado pela bactéria Volbaquia, responsável por bloquear a transmissão do vírus da dengue pelo Aedes aegypti. “Isto consiste em pegar os mosquitos, que são os mosquitos da dengue, vamos dizer, do bem e soltá-los no meio ambiente. Eles vão cruzar com os mosquitos que transmitem [a dengue] e não nascerão mais mosquitinhos”, explicou o ministro. A fêmea infectada repassa a bactéria para os filhotes, que também nascem incapazes de transmitir as doenças.

A bactéria, que não oferece riscos a saúde humana, é natural em pelo menos 70% dos insetos. Entretanto, não ocorre naturalmente no mosquito da dengue. A Volbaquia é inócua, ou seja, vive dentro das células do hospedeiro. Então, quando o inseto morre, ela morre também. 

Conforme o ministro, a estratégia foi testada em moscas de pomar e tiveram sucesso no combate da praga. Com a inserção do mosquito alterado no meio ambiente, a tendência é que o número de insetos contaminados com o vírus da dengue cai gradativamente. “Desta forma, se chegarmos a 50 mil mosquitos, eu não terei mais epidemia”, explicou. .

Os primeiros resultados das alterações foram apresentados pela primeira vez em 2016. Os testes foram feitos em agosto de 2015 em dois bairro do Rio de Janeiro: Ilha do Governador e Jurujuba. Ao serem coletados cinco meses depois, 80% dos mosquitos dos locais estavam infectados. O resultado sugere que o controle se baseia na reprodução natural do inseto.

VACINA

Outra medida de controle da transmissão do vírus é a vacina contra a dengue. A imunização, com blindagem estimada de 86%, está em fase final de testes no Instituto Butantan, em São Paulo. “É uma vacina só, que pega os quatro vírus. Nós não teremos mais epidemia. Teremos apenas casos isolados”, explicou o ministro.

Mandetta ressalta que as pesquisas são parte das ações do Sistema Único de Saúde (SUS). “Sistema que muitas vezes as pessoas acham que não é utilizado para pesquisa”.

O último Boletim Epidemiológico, divulgado no dia 27 de março, pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), registrou 15.924 casos de dengue notificados no Estado, sendo o 3º estado em incidência da doença no País. Desde o início do ano foram cinco mortes: duas no município de Três Lagoas, duas em Campo Grande e uma em Dourados. 

 

Felpuda


As conversas vêm acontecendo muito, mas muito reservadamente mesmo, e dão conta de que suplente poderá receber convocação, assumir a titularidade do cargo e por lá ficar por tempo indeterminado. Como é óbvio, tem gente jurando que nunca ouviu nem sequer falar sobre o assunto. O motivo não seria nada ligado a possíveis atos de irregularidades, mas sim por problemas de ordem pessoal.