TINHA 17 ANOS

Populares encontram adolescente <br>morto com tiros na cabeça

Polícia vai investigar se execução tem envolvimento com tráfico
08/07/2017 09:04 - RENAN NUCCI


 

Brasileiro identificado como Renan dos Santos Espíndola, de 17 anos, foi encontrado morto por volta das 6 horas da manhã deste sábado, na fronteira com o Paraguai. Ele teria sido sequestrado e executores usaram pistola 9 mm no homicídio.

A suspeita é de que a vítima tenha sido executada, aparentemente com tiros na cabeça, em acerto de contas do crime organizado. Ainda não há informações sobre circunstâncias e autoria do crime.

Conforme apurado pela polícia local, o corpo estava na Colônia Cerro Corá, na região de Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que divide a linha internacional com Ponta Porã.  

Populares que transitavam pela região o avistaram e acionaram as autoridades. Não é descartada hipótese de que a vítima estivesse envolvida com o tráfico de drogas. O caso é investigado.

Na região de Ponta Porã essa foi a segunda execução em menos de 24 horas. No distrito de Sanga Puitã, o comerciante João Cláudio Portilho, 42 anos, também conhecido como Joãozinho, morreu com tiros de pistola 9 mm.

O assassino chegou no comércio da vítima, fez os disparos e foi embora. Ninguém soube dar pistas à Polícia Civil brasileira para auxiliar nas investigações.

*Editada às 09h21 para acréscimo de informações.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".