OPERAÇÃO NEGÓCIOS DE FAMÍLIA

Acusados desviaram quase R$ 1 milhão na Câmara de Água Clara

Fraude acontecia por meio de licitações para assessorias técnicas
16/04/2019 11:34 - RAFAEL RIBEIRO


 

O objetivo da operação desencandeada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado durante a manhã desta terça-feira (16) foi investigar suposto desvio de verba pública de quase R$ 1 milhão na Câmara Municipal de Água Clara.

Segundo nota publicada pelo Ministério Público Estadual, a Operação Negócio de Família cumpriu oito mandados de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e três de medidas cautelares diversas com o objetivo de encerrar o que é chamado de "organização criminosa voltada à prática dos crimes de peculato, fraude a licitações e falsidade ideológica."

Ainda de acordo com o MPE, foi apurado que o  desvio de verba pública acontecia via elaboração de processos licitatórios fraudulentos para a contratação de assessoria em diversas áreas da gestão pública.

O trabalho de investigação acredita que o desvio do dinheiro público teve início com a elaboração de processos licitatórios fraudulentos, na modalidade carta convite, os quais eram direcionados a empresas pré-determinadas. Sendo assim, a empresa que vencia a licitação não prestava o serviço, porém recebia todos os valores, os quais, posteriormente, eram repassados aos agentes públicos envolvidos.

O Gaeco, em auxilio à Promotoria de Justiça do Patrimônio Público de Água Clara, apurou que a organização atuou por anos desviando valores, que devam chegar a R$ 900 mil dos cofres da Câmara Municipal de Água Clara. Os mandados foram expedidos pelo Juízo da Comarca de Água Clara.

Durante a Operação Negócio de Família foram apreendidas armas de fogo nos locais visitados em Campo Grande, Três Lagoas, Água Clara e Paraíso das Águas. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".